LINHAGEM

Na ânsia de seus quatorze anos, Melina não consegue esconder o entusiasmo, quando conta à mãe a novidade.

“Mãe, conheci um garoto lindo ontem!”

“Ah, é?” – mas Eunice não parece muito interessada – “E como é o nome dele?”

“Fabinho. Fábio.” – corrige-se a filha.

“E o sobrenome?” – pergunta a mãe, folheando uma revista.

“Ah, mãe. Não sei bem.” – Melina só quer lembrar o quanto Fabinho é bonito e querido - “Parece que é Mascarenhas Bragança, uma coisa assim...”

Mascarenhas Bragança!, exclama a mãe em pensamento: o sobrenome mais tradicional da região. E o Fabinho, garoto tão simpático, tem este sobrenome. Melina e Fabinho, pensa Eunice. Melina Mascarenhas Bragança – o nome da filha assim tão sonoro desde agora. Levanta uns olhos subitamente brilhantes da revista e não enxerga a filha; vê-a, isso sim, agora e mais adiante, vestida de noiva, linda e exuberante, a festa para quinhentos convidados no salão mais elegante da cidade, da região, notícia em todos os jornais, as famílias tradicionais e cheias de dinheiro e ela recepcionando a todos, ela, a mãe da noiva, mãe de Melina Mascarenhas Bragança, a lua-de-mel do casal em Paris ou Nova Iorque ou nos sonhos do Taiti, os dois pombinhos apaixonados, quando voltarem da viagem Fabinho estará assumindo uma das direções das empresas, talvez a vice-presidência, e Melina ficará contente cuidando da casa, decorando tudo com os móveis novos, os jardins, a piscina, ela sempre gostou de decoração, e daqui a pouco estará grávida, o jovem par reluzindo de felicidade, a barriga redonda e fofa da filha brilhando nas colunas sociais, o bebê que certamente será lindo, os cabelos loiros do pai e os olhos claros da mãe, o casal sorridente em todas as melhores festas, Junior crescendo cada dia mais bonito, Fabio Mascarenhas Bragança Junior, e a filha feliz, a avó feliz, todo mundo feliz ao redor do bebê, que será...

“Mãe! Me escuta!” – diz Melina, tentando chamar a atenção de Eunice – “Eu disse que não sei bem se o sobrenome é esse mesmo!...”

Mas Eunice não consegue ouvir a filha, agora. Está pensando apenas no futuro brilhante do neto, o doutor Fábio Mascarenhas Bragança Junior.


Outros Contos


O AMULETO

NESTE CARNAVAL EU VOU BEBER!

INDENTIDADE

AS OUTRAS COISAS, COMO ELAS SÃO

SÓ UM CAFÉ

BOTAR AS CARTAS

NO ELEVADOR

S/A

SINA

CIDADANIA

OS PASSEIOS COM MINHA IRMÃ

TIO GUNTHER, QUE NUNCA CHEGA

OS GÊMEOS, AS GÊMEAS

QUANDO VOCÊ ME DEIXOU, MEU BEM

O DISCURSO

NA FOTOGRAFIA

VESTIDO DE NOIVA

PREZADA LEITORA, PREZADO LEITOR.

AS FELICIDADES PEQUENAS

ESTE DOMINGO

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais