MANDOLATE

“Mandolate!”

Teodoro ouviu o apelido que não escutava há anos e tremeu: quem poderia chamá-lo assim, nesta hora tão séria e engravatada de sua vida? Tremeu ainda mais, quando percebeu que não tinha idéia de quem era aquele homenzarrão que, sorriso pronto, já o abraçava sem chance à fuga. Depois, ficou dando soquinhos no ombro tenso de Teodoro e confirmando aquela certeza de intimidade antiga. Mas quem seria, meu Deus, aquele homem?

“Elegante, hein, Mandolate! Bem de vida!...” – o homem seguia na intimidade e Teodoro se desesperava porque não conseguia a menor lembrança de quem podia ser. Enquanto isso, o outro já começava a recordar tempos antigos. – “Lembra as festas, Mandolate? Tu era fogo, mesmo! Chegava e a mulherada já se ouriçava toda!...” – Não era bem assim, pensava Teodoro, mas não era a hora de discordar do novo amigo, tão simpático. – “Tu era a alegria da festa. E acabava namorando todas. Com aquela lábia!... Velho Mandolate! Sabia tudo de mulher!...” – Também não era tanto assim, mas Teodoro seguia concordando, tentando localizar o homem em sua memória. – “Vou te dizer uma coisa, Mandolate: toda a turma tinha inveja de ti!”

“Nã...” – protestou Teodoro, surpreso: não sabia que era isso tudo.

“Verdade. Tu era o cara que todo mundo queria ser e não conseguia! O nosso mito!” – e o homem parecia emocionado ao dizer isso.

“Não era tanto...” – comentou Teodoro, modesto.

Depois de uma parada em que nenhum deles soube o que dizer (a emoção), o homem quis seguir assunto:

“E a dona Justina, como vai?”

“Dona Justina?”

“Tua mãe, Mandolate!” – o outro relembrou, carinhoso.

“Mas minha mãe se chama Elisabete.” – respondeu Teodoro.

“Mas tu não é o Mandolate? O Carlos Roberto?”- o outro, surpreso.

“Me chamavam de Mandolate, mas meu nome é Teodoro.”

O homem pareceu murchar.

“Ah, desculpe, senhor. É que eu lhe achei muito parecido com um amigo meu, que não vejo há muito tempo.” – depois de um instante, continuou – “Mas pensando bem, o outro Mandolate era bem menos sério.”

E foi-se embora, envergonhado da confusão. Teodoro, este apenas conseguiu ficar ali, parado onde estava, acabrunhado, pensando o quão interessante deveria ser este Mandolate que ele gostaria de ter sido e nunca foi.


Outros Contos


QUE SEJA ASSIM

PROFESSOR ZANDOR

MONTEVIDÉU

RECEITA PARA SARAU

O CELULAR DO MEU FILHO

SINAL VERMELHO

O DIA DO PAI

CARTA PARA JANINE

REGINA RENNÉ

O AUMENTO (versão 1)

A MULHER QUE CANTA

APOSTA

MÃOS DADAS

A CULPA É DELA

ALGUÉM SABE

SINA

A CASA DA PRAÇA

A VIDA É SIMPLES

A BAILARININHA

OCORRÊNCIA POLICIAL

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais