ANA BETH

Ela esvaziava os bolsos das calças do marido para colocá-las na máquina de lavar, quando encontrou o bilhetinho, amassado e escrito à mão: “Ana Beth”. Embaixo, um indecifrável número de telefone, anotado com os garranchos habituais de Eriberto.

“Quem é esta tal de Ana Beth?” – perguntou ela, à queima-roupa, já pronta para enfurecer-se.

O marido nem pensou para responder, mas enquanto dizia a frase já sabia que iria se incomodar.

"É uma ex-namorada minha.”

“Ex-namorada?” – perguntou a esposa, esfregando as mãos como só fazia quando era grande a chance de estourar. – “E de onde apareceu esta ex-namorada, pode-se saber?”

“Estava tomando um café no centro e encontrei com ela. Não via a mulher há mais de vinte anos...”

“Ai, que lindo!” – exclamou a esposa. – “Que bonitinho, um reencontro de ex-namorados que não se vêem há duas décadas!...” – e, olhar em chispas de fogo e gelo – “E o que foi que a dona Ana Beth - nomezinho ridículo este! – te disse? Te achou gordo, muito careca? Só pode!..” – e a ironia era fúria sem nome.

“Não, ela até que me achou bem. Disse que eu estava muito conservado. E ela também quase não mudou nada. Bonitona, a Ana Beth” – à essa hora, Eriberto já resolvera entrar no jogo sem jogo da esposa. Ela iria estourar de qualquer jeito. Então, que fosse por muito.

Ela não gritou (como ele esperava). Não o xingou (como ele esperava). Não chorou (como ele esperava). Apenas esfregou ainda mais violentamente uma mão na outra e mirou-o com uns olhos que eram mísseis de guerra.

“A gente vai conversar sobre isso mais tarde. Agora não estou em condições” – disse ela – “Amanhã.” – ela completou. E saiu do quarto, pisando pesado e carregando as calças do marido.

Eriberto fechou os olhos e soube que pagaria caro por tudo aquilo. Ex-namorada, pensou ele, por que fora inventar justamente esta história de uma ex-namorada que nunca existira? Por que não pensara logo em outra desculpa? Uma colega com quem precisara falar depois do trabalho, a gerente do banco, qualquer coisa. Mas inventar uma ex-namorada besta fora o que primeiro lhe ocorrera. Ele sabia: a fúria da mulher iria durar dias.

Mas não faz mal, pensou ele. Melhor assim do que se ela soubesse que ele estava consultando uma psicóloga.


Outros Contos


RODAR, RODAR

VIDA

TROCAR OS PAPEIS

O AMIGO MAIS CEGO

A SERENATA

OS OLHOS AZUIS, AZUIS

AS COISAS COMO ELAS SÃO

O BEIJO

OS ANÉIS

O OLHO

CINQUENTA

O FIM DO MUNDO

O TRABALHO DO COELHO

MADRUGADA

DESAMOR

2015

Ô, GOSTOSA!

PEQUENOS NATAIS

FELIZ NATAL

O CASACO DE LISTRAS AZUIS

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais