A MÚSICA ESCOLHIDA

Então hoje poderia mostrar para todo o mundo o seu talento, a sua voz.

Edineia passara a infância inteira cantando e adorando música, em casa, nas festas da família, nas reuniões de amigos, nos eventos da escola - e para si mesma. Para si mesma, sempre: enquanto estudava, tomava banho, quando andava pela rua, lendo um livro, às vezes em que tomava o ônibus; quando percebia, o passageiro ao lado a estava olhando, entre surpreso e divertido, elogiando-a pela beleza da voz e da música que ela cantava sem perceber. E quando dormia, cantava em seus sonhos.

Mas, ainda que a exaltassem os amigos e a família, a verdade é que as chances pouco apareciam. Tanta gente talentosa, um rio cheio de cantores e cantoras aparecendo a cada dia, as rádios e tudo o mais sempre em novidades – onde, o espaço para uma Edineia moradora de bairro pobre?

Quando apareceu o concurso que se anunciava como a maior revelação de novos talentos da música brasileira, ela tremeu e decidiu que ali estava a sua chance.

Escolhida a música, começaram os ensaios dias a fio e noite adentro, sem descanso e sem cansar, abnegação apaixonada que pareceria loucura se não fosse tão bonita. Edineia acordava pensando na música que cantaria, repassava no silêncio do café da manhã os acordes que julgava mais difíceis, domando em palavras toda a melodia e assim ia até quando todas as vozes da casa, com ares de madrugada insone, lhe pedissem para dormir. Ensaiava no sono, aferrada à chance, e tão logo o dia amanhecesse, começava a cantar ainda na cama. A música foi se amoldando à voz de Edineia, feliz em sua emocionante beleza, pronta a que, no dia certo, todos descobrissem o talento de quem a cantava. Edineia tinha a certeza: o concurso seria a sua porta. E se emocionava com isso.

****

Ela está ali, agora, em frente ao conjunto, enquanto o apresentador do concurso a anuncia como a próxima concorrente da noite. Quando o homem lhe deseja boa sorte, Edineia, ela suspira, fecha os olhos, sente um breve e indizível tremor, pensa no tanto de esforço que lhe custara estar ali. É agora, tem que ser - decide.

Mas quando o conjunto começa a tocar os acordes iniciais da canção, uma névoa de pavor tisna os olhos assustados de Edineia: como é mesmo a primeira frase da letra da música?


Outros Contos


O BAILARINO

AS FALAS DA MÃE

TODAS AS HISTÓRIAS DÃO UM LIVRO

PAIXÃO

APOSTA

A CULPA É DELA

PRIMEIRO DIA DE AULA

A HORA EM QUE OS CAFÉS FECHAM

O FILHO

O CASAMENTO

O BARBEIRO

PAIXÃO DE CARNAVAL

OS MILAGRES SIMPLES

A ESCURIDÃO

AS PERGUNTAS QUE NÃO SÃO FEITAS

AUTO DE INFRAÇÃO

DEFICIÊNCIA

TOM MENOR

A FESTA DE NÃO MORRER

BILHETE

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais