SINA

“Mestre, quero beber.” – a voz era urgente, autoritária.

Quando o dono do bar levantou os olhos da revista, já havia percebido a presença da mulher - o ar levara até ele o cheiro adocicado do perfume. O homem sorriu com algum carinho e perguntou, complacente.

“O de sempre, Princesa?”

A mulher assentiu com a cabeça, sem dizer palavra. Só então descansou, talvez por ter a certeza de que ali ficaria, agora, bebendo a noite. Largou a bolsa no balcão de fórmica e sentou-se no desajeitado banco giratório. Parecia não pensar em nada, olhando o longe, mas prestava atenção ao dono do bar.

“Bem servido, Mestre.”

Com um gesto, o homem indicou que esperasse e não se preocupasse; sabia como servi-la. Depois virou-se e veio trazendo o copo com cuidado, líquido quase transbordando. Depositou-o em frente à mulher, que seguia com os olhos toda a operação.

Ela levou o copo vagarosamente à boca, para que nenhuma gota se perdesse. Tomou um gole que prolongou-se até sentir a segurança do copo mais vazio. Aí, depositou-o novamente, quase com alívio, no balcão. Engoliu o vermute de olhos fechados, fazendo uma careta de satisfação, lábios esticados num quase-sorriso bêbado e olhos apertados em olheiras. Depois voltou a enxergar e olhou o dono do bar. Um homem, pensou – e um esgar desgostoso lhe atravessou o rosto, imediato.

“Noite ruim hoje, não é?” – o Mestre já a conhecia bem.

A mulher disse que sim, de cabeça baixa. Depois completou:

“Tem sido assim, nos últimos tempos.”

O dono do bar disse que entendia. Afastou-se da mulher, em direção à revista e às coisinhas que ainda tinha a fazer naquele início de madrugada. Antes de voltar os olhos para a reportagem que lia até ainda há pouco, ele avisou, sério em sua compreensão.

“Bebe quieta.”

Ela concordou, mansa.


Outros Contos


ROUBADA

NÚMERO DESCONHECIDO

AQUELE MENINO SÍRIO

AINDA

SETE DE MARÇO

ALI, LOGO AO LADO, AGORA

TANTO TEMPO

O FLECHA

A FESTA DE NÃO MORRER

A VIDA É SIMPLES

A NOVA VIZINHA

POR ONDE ANDARÁ RICARDO?

2017

A CIDADE EM OLHOS DE FUTURO

PÁSCOA

UM CARRAU AUTÊNTICO

O BIGODE

PENSAR PENSAR PENSAR

OS MILAGRES SIMPLES

O BAILARINO

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais