ISTO, O QUE CHAMAM JUSTIÇA?

(grito) pega, pega, pega, o moleque roubou a bolsa da mulher, pega ladrão, alguém que segure o ladrãozinho, aiaiai minha bolsa, aiaiai que me roubaram, corre, pega, é aquele correndo de calção preto, pega ele, alcança, corre que o ladrão tá cansando, vai um de cada lado, vai, cerca o moleque, pega o ladrão, isso, beleza, agora ele vai ver o que é bom pra tosse (puxão forte no braço), não fui eu tio, eu não fiz nada, não sou teu tio moleque (um tapa), se eu fosse teu tio já tinha te quebrado a pau, ninguém aqui é teu tio (tapa), não fui eu, eu não fiz nada (choro), cadê a bolsa, vai ver o ladrãozinho jogou fora que a gente tava pegando ele (tapa na cara, choro, choro), é sempre assim, quando a gente pega eles fazem esta carinha inocente (chute), tá pensando que vai escapar só porque é de menor, vagabundo, ah, mas não vai não (tenta correr), segura o moleque, ninguém deixa ele sair (uma rasteira, o garoto no chão), cadê a bolsa da mulher, desgraçado, fala cacete (choro, grito, choro, chute, ranho), mete a mão na cara deste ladrão, isso é que ele é, ninguém deixa o moleque fugir, faz a roda aí e deixa o desgranido no meio, vamos ver agora se ele é mesmo valente, se é ligeiro, quando foi para roubar a velhinha não tava chorando (chute no rosto, dente quebrado, sangue), isso mesmo, cai, palhaço, cai que só nos facilita, cagão, (chute soco chute nas costas), pelo amor de Deus!, agora pede pelo amor de Deus, desgraçado, mas tu vai aprender (sangue no sapato), segura um em cada braço que é pro cara não fugir, com gente desse tipo tem que ter todo o cuidado (soco, chute, chute na cabeça), segura bem pra ele não se mexer, vai que ele tem uma faca, bandido é sempre perigoso (chutes, pisão no rosto, sangue na sola do tênis de alguém, caco de dente), filho da mãe, decerto ia vender a bolsa prá comprar pedra, maconha, cachaça pro pai, cachaça pra mãe, tudo maloqueiro, bandido (pisão, chute, nenhum choro mais, a cabeça inerte), vamos ver se tu corre agora, ladrão, é ligeiro ele, conseguiu até esconder a bolsa, só ia esperar a gente desistir para ir no mocó e pegar a bolsa da velha (chute na barriga, na costela, o som do osso, o corpo que não se move), desgraçado, levanta agora, levanta (nada), esse aí acho que não levanta mais (risadas, um cutucão com o bico do pé), e também não incomoda mais ninguém (aplausos), pelo jeito e pelo tamanho já devia ter uns doze anos, mas é isso aí mesmo, bandido bom é bandido morto com qualquer idade, tem que cortar o mal pela raiz antes que ele cresça.

Outros Contos


O SORRISO DO REI MOMO

POR ONDE ANDARÁ A INFÂNCIA?

O CHORO AO TELEFONE

DEZOITO ANDARES

GRITO

FIM DE NOITE

A HISTÓRIA

FAZER O PÃO

O PRIMEIRO AMOR A GENTE NUNCA ESQUECE

ESPERA

A CASA DA PRAÇA

ESPÍRITO DE NATAL

AQUELE CLIMA DE INDECISÃO

MAX, QUE TRATA BEM AS PALAVRAS

TANTO TEMPO

NO ELEVADOR

RECEITA PARA SARAU

A PEDÓFILA

SAPATEIRO

WALDISNEY

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais