NÚMERO DESCONHECIDO

Eugênio caminhava sem maiores perspectivas pela rua quando seu telefone tocou. Assustou-se no primeiro instante, porque isso poucas vezes acontecia; era raro que alguém quisesse falar com ele. Buscou o aparelho no porta-celular mequetrefe que ainda carregava no cinto, um pouco angustiado com aquele toque que parecia mais alto e insistente do que o normal, e estremeceu quando finalmente conseguiu ler, no visor, que a ligação vinha de um número desconhecido.

Número desconhecido, pensou Eugênio, olhando o aparelho, ainda sem atender.

Número desconhecido!

De repente, a ligação parecia trazer a Eugênio algo de mundos secretos, de agentes internacionais disfarçados, de pistolas automáticas, grandes segredos, de sotaques exóticos, belas mulheres em volta das mesas dos cassinos depois de passarem o dia inteiro mergulhadas num mar absurdamente azul. O telefonema poderia estar chegando do Caribe ou Costa Azul, da Indonésia ou do Mediterrâneo. Um número desconhecido poderia, quem sabe, ser o prenúncio de alguma mudança em sua vidinha besta, sacudida na mesmice cinza de seus dias, finalmente o sabor ao seu cotidiano sem gosto. Não era sempre que Eugênio era chamado por um número desconhecido – e o aparelho tocando, tocando. Poderia mesmo ser (quem sabe?) a voz quente de uma bela desconhecida ordenando a ele que fosse agora ao aeroporto, pegasse a maleta que o aguardava escondida no toalete do primeiro andar, lesse a s instruções que estavam dentro dela e tomasse o avião para Buenos Aires, onde deveria aguardar as próximas ordens da missão – e ele iria, iria sim. Mistérios indescobertos, prazeres insondáveis, a chance até hoje negada, a vida de emoções que deveria ser a dele e não era – tudo isso poderia estar na chamada deste telefone que não parava de tocar.

O número desconhecido poderia estar mudando sua vida.

Então resolveu atender ao telefone.

Do outro lado da linha, cheio de gerúndios, um gentil operador da companhia telefônica perguntou se poderia estar falando com o senhor Eugenio; depois, sem esperar resposta, começou a estar lhe explicando as vantagens de um novo plano de telefonia celular.


Outros Contos


GOSTO DE XIXI QUENTE

PRETO E BRANCO

ELE NÃO CHOROU

O DISCURSO

ERENITA

NUM DIA QUENTE

O HOMEM NO BAR

A MÃE E A FADA DO DENTE

TIO GUNTHER, QUE NUNCA CHEGA

ELAS

DESCULPAS

O ARTESÃO

ROUBADA

O BEIJO

PRIMEIRO DIA DE AULA

ALTA SOCIEDADE

NÓS PRECISAMOS CONVERSAR

O BILHETE – II

JANICE QUANDO CHEGOU

O ATALHO

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais