ONDE ANDARÁ ESTE FUTURO?

Vinte e três anos atrás, ela no esplendor dos vinte recém completados, véu e grinalda, flor de laranjeira nos cabelos negros, ele o cravo vermelho e retumbante na lapela alugada, os dois em sorrisos invencíveis e que se mostram ao futuro na fotografia, o futuro uma certeza de poucos medos, ele supervisor na fábrica ela prendada, costurando para fora, cheia de encomendas, o noivo prometeu à noiva que tão logo sobrasse o dinheiro ela voltaria a estudar, logo que desse, os sorrisos olhando para a frente, logo que desse, no ano que vem, e no outro, e no outro, mas os tempos de voltar a estudar acabaram não chegando, quem chegou foram os filhos, o primeiro, uns anos, o segundo, mais uns anos, e a caçula, treze anos agora a caçula, todo o dengo do pai, que foi promovido e precisava viajar todos os meses e sempre em festas e atividades e compromissos e jantares, diz ele que precisa ir, por enquanto não se falava em volta aos estudos porque ela precisava cuidar era da escola dos filhos, porque ele tem compromissos e agendas não tinha tempo, nestes anos todos ela se encurvando frente à máquina de costura, os quilos de cada gravidez se avolumando pelo vestido, o peso das costas se transformando naquela agulhada que não a deixa dormir nestas noites em que se revira esperando o marido que chega cada vez mais tarde, depois de alguns anos ele parara de prometer que ela iria estudar, não era mesmo necessário, dizia ele, o que ganhava era mais do que suficiente, e não precisa minha mulher sair de noite para estudar, tanto marginal pelas ruas, ele o provedor e ela em casa costurando, faxinando, fazendo o café da manhã e o almoço e o jantar (o jantar frio a espera pelo marido), lavando as louças e as roupas de todos os cinco, preparando as merendas, reunião na escola, aparando a grama do pátio, a vizinha que pede um reparo na blusa, os óculos, os óculos tão necessários agora para colocar a linha na agulha, para encontrar a linha, para tudo, vinte e três anos passados e não tem tempo para pensar que se tivesse estudado, porque os filhos e a casa e as listas do mercado e as clientes e o marido sub-gerente (que horas ele chega, será que já jantou?), não tem tempo, às vezes em que para um pouco é porque a dor nas costas não deixa, deita-se a sofrer em silêncio, os filhos numa juventude que pouco enxerga a mãe, e o marido está numa reunião (ela olha as fotografias e lembra a flor de laranjeira, lembra o cravo deselegante na lapela, tudo tão lindo), o marido que chegará hoje à noite, madrugada acesa, e anunciará que amanhã de manhã está indo embora, porque já não consegue viver com uma mulher que parou no tempo.

Outros Contos


CORRESPONDÊNCIA

SETE DE MARÇO

PAPAI NOEL NÃO GOSTA DE CROQUETE

O AMIGO MAIS CEGO

A COPA

AS OUTRAS COISAS, COMO ELAS SÃO

MADRUGADA

EM BOA COMPANHIA

OS TESOUROS

O CHAPÉU MÁGICO

A MULHER QUE CANTA

OS CINCO SUPER HERÓIS

WALDISNEY

O CHORO AO TELEFONE

OS OLHOS DAQUELE MENINO

O MAIS TRISTE

A BAILARININHA

UM DIA ENSOLARADO DE PRIMAVERA

LINHAGEM

SAPATOS NOVOS

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais