PREZADA LEITORA, PREZADO LEITOR.

Aqui quem escreve é Henrique Schneider, advogado e escritor, inscrito na OAB/RS sob o número 26.398, residente e domiciliado na cidade de Novo Hamburgo. Pela primeira vez, desde que publico a coluna “Vida Breve” neste jornal – ou seja, desde março de 2003 -, não trago a este espaço qualquer texto ficcional. Pela primeira vez, não é nenhum personagem quem fala, mas sim diretamente o próprio signatário da coluna. E, nesta condição pessoal, registro a tristeza pela perda do meu amigo Luiz Felix, com quem tive o prazer de trabalhar na redação do NH. Mas não é para falar do Gordo que estou aqui, escrevendo em meu próprio nome. É para esclarecer ponto importante.

Duas semanas atrás, publiquei um conto no qual o personagem é um caloteiro que reclama das cartas de cobrança que vem recebendo da loja onde comprou uma televisão e não pagou. O homem esbraveja, diz que tais cartas são desnecessárias porque sabe muito bem que as prestações estão atrasadas. Ao final, como se não bastasse, ameaça processar a lona pelo dano moral que aquelas repetidas cartas lhe causam.

Achei que a ironia do conto fosse suficiente para deixar claros o absurdo da situação e a deslavada canalhice do protagonista. Era um texto que, tentando ser engraçado, também buscava a reflexão. Bom ou ruim, era só um conto.

Para meu absoluto espanto, recebi mais de uma irada correspondência me xingando, dizendo para que eu pagasse as minhas contas e deixasse de ser caloteiro. Leitor chegou a me aconselhar a que eu não vendesse minha honra por tão pouco – certamente sem se dar conta que a única diferença entre quem vende a honra por pouco e quem vende por muito é o preço...

Respondi diretamente a estas pessoas, mas percebi que outros leitores ou leitoras poderiam ter feito esta confusão.

Assim, esclareço de uma vez por todas: não comprei nenhuma televisão em prestações, não estou devendo em loja e costumo manter em dia minhas pequenas obrigações financeiras. Quem fez aquele absurdo foi um personagem, uma criação. Eu só o escrevi.

Porque é o que faço nesta coluna, há quase dez anos: escrevo pequenas peças ficcionais. Algumas são embasadas na realidade; outras, apenas fruto da imaginação. Os personagens, mesmo os escritos em primeira pessoa, são só personagens. Assim, o caloteiro do conto não sou eu.

Peço perdão por ocupar o tempo e espaço dos demais leitores e leitoras, mas este esclarecimento era necessário.

E a situação é tão surreal que chega a parecer um conto...


Outros Contos


O COLEÓPTERO TERROSO POUSOU NA RUBIÁCEA

AQUELE SILÊNCIO

O PALHAÇO NO SINAL

O MEDO INVISÍVEL

RODAR, RODAR

MULHER GRÁVIDA

REUNIÃO DANÇANTE

É O JOGO

O HAITI NÃO É AQUI

OFERENDA

PAIXÃO DE CARNAVAL

PARA QUE SERVEM OS LIVROS?

NESTA ÉPOCA

ELE NÃO SABE

O GURI DALTÔNICO CHEGA AO CÉU

AS OUTRAS COISAS, COMO ELAS SÃO

REGINA RENNÉ

TODO MUNDO SABE QUE ASSOMBRAÇÃO NÃO EXISTE

OS MESMOS PASSOS

MAX, QUE TRATA BEM AS PALAVRAS

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais