EMÍLIA AO TELEFONE

Emília pega o telefone do gancho, antigo aparelho analógico, e disca vagarosamente para o número que ainda há pouco desenhara, letra trêmula e caprichada, em seu bloquinho de anotações. Espera em ânsia contida, redivivo sorriso de criança enfeitando-lhe o rosto, e quando percebe que há alguém falando do outro lado da linha, tranca a respiração e não fala nada, a fim de que a outra pessoa não possa percebê-la. A pessoa pergunta quem é, quem é, depois xinga aquela respiração suspensa com o primeiro palavrão que lhe apareça, e desliga. Ela, então, desliga também.

Emília espera um tanto, alguns minutos que a recuperem da excitação e do xingamento recém recebido, e disca o outro número telefônico que anotara no caderno. Que tipo de voz responderá ao chamado, pergunta-se – mas o telefone lhe devolve um angustiante sinal de número ocupado. Droga, pensa ela – é o máximo de indelicadeza que se permite. Com quem estará falando esta pessoa que, por isso, não pode atendê-la?

Aguarda uns instantes e disca novamente para o mesmo telefone. Desta vez, tem sorte. Na terceira chamada, já há uma voz feminina assustada a responder alô, alô, talvez pensando que quem liga é a mesma pessoa que telefonara ainda há pouco, para completar o assunto, contar ainda outra novidade, encerrar a discussão. A voz de mulher diz alô no outro lado da linha umas quatro ou cinco vezes, e parece tão atormentada com aquela mutez telefônica que Emília acha melhor tranqüilizá-la um pouco.

“Bom dia.” – diz ela, esquecendo-se que são duas e meia da madrugada.
E desliga novamente o telefone, pronta para ligar ao próximo número anotado.

*****

Emília tem oitenta e dois anos e está viúva há treze. Tem três filhos, mas eles moram longe ou estão muito, muito ocupados e pouco podem visitá-la (é o que lhe dizem, é o que ela se diz). As amigas foram aos poucos ficando no caminho.

É com estes telefonemas que espanta a solidão. Pouco importa que a conta do telefone seja um pouco alta no final do mês.

O que importa é poder escutar alguma voz.


Outros Contos


AQUELE CLIMA DE INDECISÃO

DEZOITO ANDARES

PENSAR PENSAR PENSAR

WALDISNEY

DESCONFIANÇA

PLÁSTICO

O BILHETE – II

ANA BETH

MEU NOVO VIZINHO

PAPAI SABE TUDO

QUE SEJA ASSIM

AS PRIMAVERAS

O CHEFE

A NÃO NOTÍCIA

PRIMEIRO EMPREGO

AQUELE MENINO SÍRIO

O ABRAÇO, AI, O ABRAÇO

LINHAGEM

ESCOLHER O SORRISO

ESTE DOMINGO

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais