É O JOGO

Quando o time entra em campo, todos os jogadores são aplaudidos à hora em que o locutor anuncia os seus nomes. Todos - menos ele, o centroavante. No momento em que o locutor grita o seu nome, o que se escuta no estádio é uma vaia ruidosa e uníssona, como se estivessem anunciando a entrada do time adversário.

Mas ele, o centroavante, sabia que seria assim. A vida inteira no clube, trazido ainda pelo pai para as categorias de base, crescendo e aprendendo a jogar no time para o qual também torcia, os gols se enfileirando, um atrás do outro, autógrafos e fotografias, daí a pouco a torcida já tinha faixas e gritos de guerra com o seu nome. O ídolo do time. E de repente, tempos atrás, brigara com um dirigente (ou um dirigente brigara com ele, o centroavante sabe pouco destas coisas) e saíra brigado do clube. E então podia ter ido para qualquer outro lugar, mas se rendera às cifras da proposta e fora jogar justamente no time rival. Fora o seu erro. Quando assinou o contrato, os muros de sua casa amanheceram pichados: “traidor!” Quando, um ano depois e após uma série de negociações, assinara contrato com o clube de onde nunca deveria ter saído, a pichação no muro nÍ o fora muito diferente: “traidor, sempre!” O clube e ele haviam se perdoado mutuamente; mas a torcida, esta não perdoara o antigo ídolo.

Por isso, em sua nova estréia, ele sabia que seria esta vaia. As pernas tremem um pouco, mas é normal.

´É só começar a fazer os gols que sei fazer”, ele pensa, “e tudo isso vira aplauso.”

Precisa acertar. Fazendo os gols (e ele sabe fazê-los), a torcida irá novamente gritar o seu nome, cantar as músicas que sempre o exaltaram, carinhos e abraços, nunca mais a palavra ´traidor´ pintada no muro. É só fazer gols - ele diz para si mesmo enquanto o jogo anda – e isso eu sei fazer.

É só fazer gols – repete ele, como um mantra.

E de repente, como se alguma força maior lhe atendesse aos apelos, a bola sobra para ele sem nenhum zagueiro à frente. É só fazer, fácil – e eu sei fazer isso, pensa ele, enquanto corre com a bola em direção a um goleiro que sabe que pouco conseguirá defender. Ele olha o canto direito da goleira, o mais desamparado e fácil, e já antevê o grito de gol da torcida, o delírio da arquibancada, seu nome novamente como herói, o perdão para sempre - e chuta.

A bola bate na trave.

E sai.


Outros Contos


DEZOITO ANDARES

ERENITA

NESTE CARNAVAL EU VOU BEBER!

Ô, GOSTOSA!

DIA DOS NAMORADOS

O TALENTO DE ELÍSIO

QUE SEJA ASSIM

WALDISNEY II

O CASAL NO RESTAURANTE

ASFIXIA

PEQUENOS NATAIS

O FIM DO MUNDO

PENSAR PENSAR PENSAR

UM MENDIGO PARADO NO MEIO DA CALÇADA

RESPEITO

NUM DIA QUENTE

BETÂNIA EM SEUS SONHOS

MADRUGADA

AS TRUFAS

OS CINCO SUPER HERÓIS

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais