PRIMEIRO EMPREGO

Ela nasceu bela e pobre – e quanto a isso, todos concordam. Mas ela também acha que nasceu talentosa, acha que sabe cantar e dançar como poucas, ensaia todos os dias em frente ao espelho do quarto que divide com os três irmãos – só que este talento, no fim de mundo poeirento e esquecido em que vive, irá morrer sem ser descoberto se ela não fizer algo para mudar.

E agora começa a mudança, decidiu ela.

Completou dezoito anos na semana passada e então sabe que já pode ser a senhora de si mesma. Os pais sem luzes em seus dias mesmos e pequenos, os irmãos menores nos seus alaridos de adolescência pobre, esta cidadezinha tão distante e que ninguém sabe que existe – ficar aqui é morrer em silêncio, todos os dias, antes mesmo de começar a vida.

Bem que tentou entregar-se, simples, ao que a cidadezinha lhe oferecia – deixar, quem sabe, os sonhos um pouco de lado. Ajudou no bazar de seu Otarão, com promessa de carteira assinada e salário inteiro depois de três meses, mas só o que conseguiu foram os olhares e insinuações do velho babão. Mais adiante foi ser caixa no mercadinho, mas números nunca foram o seu forte e no final do mês estava devendo mais do que tinha para receber.

Enquanto isso, ia cantando nas festas raras dos amigos e das amigas, nas promoções do colégio, no bar da cidade. E todo mundo gostando, aplaudindo, cada aplauso dizendo outra vez à ela que esta teria que ser a sua vida. Não poderia passá-la errando em contas ou fugindo das tentativas de seu Otarão.

Bela e talentosa – um mundo maior a conhecer, um mundo maior a conhecê-la.

Por isso, em segredo, arruma agora a maletinha com suas poucas roupas, para tomar o ônibus que sai ao meio-dia para a capital. Respondera ao anúncio do jornal, mandara o currículo com foto. Na cidade, já a esperam com tudo pronto para a viagem e – certamente – o início das luzes, da fama, do sucesso.

Está tudo certo, já. Vai cantar numa casa de espetáculos na Espanha. Disseram que é um lugar muito fino. Mal pode esperar para chegar a este lugar desconhecido.


Outros Contos


PAPAIS NOEIS

REPOLHOS SÃO MAIS DO QUE ISSO

O RETRATO

PAPAI NOEL NÃO GOSTA DE CROQUETE

A PRIMA JULIANA

O CHORO AO TELEFONE

A PAZ MUNDIAL

O HOMEM MAIS VELHO DO MUNDO

OS PASSEIOS COM MINHA IRMÃ

DONA LIDIANE

OS OLHOS DO MEU FILHO NOS OLHOS DE OUTRO FILHO

NA FOTOGRAFIA

AS PRIMAVERAS

O SOL FRIO

TELEFONEMA PREMIADO

A CASA DA PRAÇA

AMOR NÃO RIMA COM BAR

AS COTAS

AS EXPLICAÇÕES DO ESTUPRADOR

A CULPA É DELA

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais