CIRCULAR nº 01

O senhor síndico deste prestigioso edifício vem à presença de todos os moradores, através da presente circular, para esclarecer os fatos ocorridos anteontem e que, até o presente, vêm sendo objeto de comentários desencontrados nas escadarias e corredores.

Alertado por diversos moradores a respeito de barulhos provindos do apartamento 804 e que, segundo os mesmos, teriam um caráter atentatório à moral e bons costumes reinantes, este síndico dirigiu-se à referida unidade, a fim de solver a situação. Em lá chegando e constatando de per si os ruídos vexatórios, este síndico bateu três vezes à porta. Não encontrando resposta e decidido a por termo à incomodação, girou a maçaneta. Surpreso, constatou que a porta estava aberta.

Adentrando então ao mencionado apartamento – dada, repete-se, à sua condição de síndico zeloso por suas atribuições -, deparou-se, no primeiro momento, com uma saleta deserta. Dirigindo-se então ao quarto de onde provinham os espalhafatosos ruídos, o senhor síndico constatou, não sem constrangimento, que a moradora do apartamento 804 encontrava-se em animado intercurso amoroso com outro condômino – o qual, por ser casado, deixa de ter seu nome aqui mencionado. Face à animação do conúbio, o casal não percebeu de imediato a presença do síndico, o que só ocorreu no momento em que este bateu palmas – ocasião em que, assustada, a moradora do 804 soltou o assustador grito que até o presente vem sendo objeto de comentários de todo o prédio.

Incontinenti, a moradora do 804, tomada de inexplicável fúria, passou a perseguir este síndico com o intuito de agredi-lo, olvidando-se que estava nua. Não restou ao firmatário nenhuma opção que não a fuga, para evitar intempéries maiores. Entretanto, a moradora em questão – ainda pelada – seguiu atrás do síndico, desatinada, alcançando-o no corredor e enchendo-o de tapas e arranhões – momento em que os demais moradores do prédio, inclusive a honrada esposa do firmatário, acabaram por se deparar com a cena acima narrada, que só não se estendeu mais porque este síndico conseguiu escapar, revidando aos tabefes com a força necessária.

São estes os fatos. Qualquer outra versão está expressamente desautorizada – especialmente aquela aventada pela senhora esposa deste zeloso síndico.


Outros Contos


AMOR NÃO RIMA COM BAR

CORRESPONDÊNCIA

GRITO

O SORRISO DO REI MOMO

BAILE DE DOMINGO

QUINZE ANOS

PAPAI SABE TUDO

DOWN?

OS PASSEIOS COM MINHA IRMÃ

O CALOR

REGINA RENNÉ

ARGANAZES

UM CARRAU AUTÊNTICO

TROCAR OS PAPEIS

ERENITA

O ARTESÃO

A SUPER LUA

GOSTO DE XIXI QUENTE

SÓ UM CAFÉ

CENA DE CINEMA

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais