SEBASTIÃO

Quando o pai de Sebastião convidou-o para assistir à leitura de contos de um escritor de quem ambos nunca haviam ouvido falar, o menino não soube bem o que responder – mas achou que aquele convite para uma programação tão estranha poderia ser algo que valesse a pena. A bem da verdade, o pai também pouco sabia o que poderia acontecer; apenas achava que pais podem ir além de convidar os filhos para jogar videogame ou para comer gorduras fantasiadas em lanchonetes insípidas.

Sebastião chega ao local com certa timidez e olha às outras pessoas que já se acomodam para a leitura. É pouca gente, duas dezenas de interessados – o escritor é mesmo um anônimo e, além disso, vem de um lugar distante – e Sebastião pode escolher bem o lugar em que sentar-se. E resolve então sentar-se na primeira fila, bem à frente de onde o escritor já se posta para ler os seus contos.

O irmão de Sebastião não agüenta o peso das brincadeiras do dia e dorme no colo do pai o peso enorme de sua pequena infância.

Mas Sebastião, não.

Presta atenção enorme às histórias que o desconhecido conta. Aos poucos, atenção acesa, parece que vai construindo o seu próprio mundo ao redor dos contos que escuta. A história que o escritor conta é apenas o ponto de partida para a história maior que Sebastião. Se no conto que escuta há um homem que canta, naqueles que sua imaginação constrói há uma orquestra inteira que começa agora a sua apresentação. Sebastião ouve as histórias e mal se contém na cadeira – quer contar junto com o homem as histórias que, ouvindo, ele também agora inventa. Mais do que isso: ele começa mesmo a contá-las. E quando a leitura acaba, não estão na cabecinha fervilhante de Sebastião apenas os doze contos que aquele homem de tão longe havia lido; estão l á as milhares de histórias que só estavam guardadas e ele ainda não sabia.

Os olhos de Sebastião brilham com esta descoberta nova: ele e o homem à sua frente são iguais.

O escritor agora escreve este conto e não sabe como ele terminará. Mas sabe que ele começou bem.


Outros Contos


TODO MUNDO SABE QUE ASSOMBRAÇÃO NÃO EXISTE

ACERTO DE CONTAS

QUINZE ANOS

OS TESOUROS

A HORA EM QUE OS CAFÉS FECHAM

OS PRIMEIROS SÓIS

O CÃO, OS FRANGOS, O TEMPO

PEQUENOS NATAIS

O CONDE

ATRAQUE

A CULPA É DELA

MEIA LUZ, MEIA VERDADE

A VOZ

O BILHETE

DOIS SILÊNCIOS

AS FLORES DE MARÍLIA

PALAVRARIA

O CINEMA

PENSAR PENSAR PENSAR

DEZOITO ANDARES

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais