O AUMENTO (versão 1)

Gerson chega depois das nove e meia, noite escura e fria lá fora, Geneci a recebê-lo em seus braços claros e quentes. No seu beijo de boas vindas, o hálito que não enganava – mas não vai brigar com o marido hoje, não vai.

- Perdi o ônibus. – justificou ele, como se a mulher houvesse feito qualquer pergunta. Mas não, ela era apenas um silêncio que esperava, olhos em angustiada curiosidade. Até que ele respondeu à pergunta maior, que Geneci também não havia feito.

- O velho não me deu o aumento. O filho da mãe. – falou em calma, panela de pressão contida a custo.

A mulher muda, esperando.

- E eu expliquei bem. – diz Gerson. – Falei bem direitinho, com a gente mesmo tinha ensaiado aqui em casa. Disse que a vida anda difícil, o aluguel, a precisão de umas coisas novas para a casa, o material escolar dos meninos, os remédios que dona Dejanira precisa tomar, o mercado tão caro. E o velho, nada. Me escutando como se não me ouvisse.

Gerson respira fundo, e ela sabe onde sua fala terminará.

- Depois o velho me olhou com aquela cara de coitado que ele sabe fazer quando precisa. E então falou. O mesmo discurso, sempre. Que a fábrica vai mal, que a crise, que a concorrência, que vai precisar despedir empregados, que a hora não é de pedir aumento e sim manter o que se tem. E que mais tarde isso vai ser recompensado.

Nas outras vezes, a resposta do velho fora parecida. Uma desesperança - ela sabe tanto quanto ele que mais tarde não haverá recompensa nenhuma.

- Amanhã vou falar de novo com o velho. Pode ser que ele pense melhor e me dê este santo aumento.

Ela sorri apenas por sorrir – o marido não falará nada amanhã; e se falar, será carpir em terra morta.

- Mas agora preciso dar uma relaxada. – ele diz – Vou até o boteco tomar uma com o pessoal. Uma só, isso eu mereço. – e ele levanta o dedo, como se precisasse sublinhar.

Geneci não diz nada, enquanto vê o marido sair. Acostumada nesta tristeza. Sabe que ele não voltará antes que seja dia claro; deitará na cama com seu redobrado peso bêbado e só conseguirá acordar quando não valer mais a pena ir para o trabalho.


Outros Contos


PENSAR PENSAR PENSAR

CENA DE CINEMA

QUE SEJA ASSIM

O MEDO EM QUE ELA VIVE

REUNIÃO DANÇANTE

AS FLORES DE MARÍLIA

PREZADA LEITORA, PREZADO LEITOR.

UM MENDIGO PARADO NO MEIO DA CALÇADA

(NA IMAGINAÇÃO)

OUTRA CENA DE PRAIA

REPOLHOS SÃO MAIS DO QUE ISSO

QUINZE ANOS

O MEU FUTURO

PROMESSAS DE ANO NOVO

EDUARDO, QUE ESPALHA ESTRELAS

CARTA PARA JANINE

FELIZ NATAL

ALTA SOCIEDADE

EU TE AMO

WALDISNEY

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais