OS PASSEIOS COM MINHA IRMÃ

Eu gosto de sair a passear com minha irmã.

No início eu não gostava muito; nem ela, eu sei. Mas não tinha remédio: a mãe não deixa a mana sair sozinha, ela só podia passear se me levasse junto. Então era assim: se ela quisesse dar um passeio, ir na pracinha, na sorveteria, uma caminhada pelo bairro, só se eu fosse também.

E lá ia eu, meio forçado. Bem contra a vontade, no começo.

Mas agora eu bem que gosto.

Minha irmã se pinta toda para passear, coloca perfume, veste uma roupa boa. Fica bem bonita. Eu, não: meu calçãozinho e os tênis de jogar bola já estão mais do que bons.

Saímos e nunca vamos à pracinha perto da minha casa. Minha irmã quer sempre andar um pouco, e então vamos à praça que fica mais longe. Lá, ela fica sentada, enquanto eu brinco nas gangorras e no balanço.

Até que o tio chega.

Ele é muito velho, deve ter uns quarenta anos, mas minha irmã fica toda feliz quando ele aparece. Eu também: é nessa hora que o passeio fica bom.

Entramos no carro do tio e rodamos um pouco. Depois de um tempo, a gente chega numa lojinha que tem umas máquinas de videogame e o tio me compra duas horas de jogo. Aí ele e a mana passeiam sozinhos um pouquinho, ela diz para eu não sair dali de jeito nenhum porque eles vão só dar uma caminhada e já voltam. E repete para eu não me mexer. Mas imagina se eu vou sair: duas horas inteirinhas de Playstation, o que é que eu vou querer mais?

Quando terminam as duas horas, a mana já está voltando. Parece um pouco menos arrumada que no começo, deve ser de tanto caminhar.

Aí, eles me levam numa sorveteria e às vezes o tio até me compra um carrinho, uma pistola, uma coisinha de brinquedo. Geraldo, parece que este é o nome dele. Legal, o tio.

E legal, sempre legal, o passeio com minha irmã.

Pena que eu não posso contar nada para minha mãe. A mana me proibiu.


Outros Contos


O PERSONAGEM QUE ME ESCREVE

CARTA A FRAN

O FLECHA

O GÊNIO NA VIDA DE VICENTE

OS TESOUROS

O AUMENTO (versão final)

AS FESTAS

LINHAGEM

ESTÁTUAS VIVAS

O COLEÓPTERO TERROSO POUSOU NA RUBIÁCEA

TEMPO DE FLORADA

WALDISNEY II

JANICE QUANDO CHEGOU

OS OLHOS DO MEU FILHO NOS OLHOS DE OUTRO FILHO

AO VIVO, DIRETO DO EVENTO

DIA DOS NAMORADOS

SONHOS À VENDA

O CONTO AO VIVO

AQUELE SILÊNCIO

A CELA

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais