OS GÊMEOS, AS GÊMEAS

Claudio e Roberto são irmãos gêmeos – e fisicamente idênticos. Claudia e Roberta são irmãs gêmeas – e uma é igual a outra. Os dois irmãos conheceram as duas irmãs na mesma noite, num bar e cinco anos atrás, em certa madrugada em que nenhum deles saíra com maiores compromissos ou expectativas. A surpresa pelas semelhanças, as coincidências – isso foi apenas o início da conversa, que se estendeu até o final da madrugada, entre os quatro, sem que o assunto parecesse querer terminar. Quando se despediram, trocaram endereços e promessas.

Dois meses depois, estavam namorando. Claudio e Claudia começaram na terça-feira – um beijo no mesmo bar em que haviam se conhecido foi a marca deste início; Roberta e Roberto iniciaram o namoro no dia seguinte – e no mesmo bar.

Os dois casais, lindos. Quem os olhasse de fora comentaria, com poucas chances de erro, os bons futuros que as vidas lhes reservavam, os estudos sérios na faculdade, as vidas bem planejadas, os empregos plenos de certezas: Claudio estuda Medicina e Claudia está se formando em Psicologia; Roberta quer ser juíza mais adiante e Roberto seguirá o escritório de advocacia do pai.

Vidas de vitrine, as quatro, sem tirar e nem por. Sorrisos tão lindos quanto perenes. Felicidade parece ser a palavra mais escrita em seus olhos. E o natural, então, tinha que acontecer: o casamento, para que se eternizar-se esta beleza quádrupla. Roberto pediu Roberta em casamento na terça-feira; Claudio propôs casamento a Claudia na noite seguinte – e ambas aceitaram. As famílias exultantes.

******

Casam-se hoje, em cerimônia única, numa festa linda – os noivos em trajes idênticos e noivas com vestidos iguais, rigorosamente escolhidos. A igreja está cheia e há um sorriso inteiro atravessando a cerimônia. A unanimidade aposta na felicidade brilhante dos dois casais.

Todos os convidados, felizes. Uma felicidade simples e festiva, quase obrigatória, um pouco cega. Tanto que ninguém percebe que não são apenas de emoção as lágrimas de Claudia que, casando com Claudio, nunca conseguiu confessar que, na verdade e desde o início, sempre amou Roberto.


Outros Contos


VIZINHAS

O FLECHA

O PALHAÇO NO SINAL

LIBERDADE DE OPRESSÃO

OS OLHOS DAQUELE MENINO

A MOÇA DO 20º ANDAR

FIM DE SEMANA

O GRITO (OS GRITOS)

AUTO DE INFRAÇÃO

PROGRAMA DE BEM ESTAR

PRESENTE

O DIA EM QUE A INFÂNCIA TERMINA

O TALENTO DE ELÍSIO

EDUARDO, QUE ESPALHA ESTRELAS

CIDADANIA

O MEU FUTURO

A ESCURIDÃO

TIA ESTER

O OLHO

O AUMENTO (versão 1)

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais