RETRATO PARA A MÃE

O homem entrou no estúdio fotográfico e ficou parado, sem dizer nada. Talvez estivesse apenas esperando que Julio o atendesse, mas mais parecia - as roupas tão humildes e o olhar de quem pede desculpas por nada - que não sabia mesmo o que falar.

“Bom dia. O que é que vai ser para o senhor?” – perguntou o fotógrafo.

O homem corou à pergunta, como se não pudesse ser para ele. Depois, no entanto, sorriu com timidez.

“Eu queria tirar um retrato. É para mandar para a minha mãe.”

“Claro.” – e ambos esperaram a palavra um do outro - que não veio. Até que Julio disse ao homem que passasse ao estúdio, que já iriam tirar a fotografia.

À hora da foto, o homem postou-se frente à câmara com a compostura solene dos grandes momentos (era). Julio pediu-lhe que sorrisse e ele achou melhor não.

“Minha mãe é muito séria. Não vai achar bonito ver o filho sorrindo por nada.” – depois agregou, com certa vergonha – “Faz cinco anos que não vejo minha mãe. Desde que vim para cá.” – e a Julio, naquela hora, pareceu que o homem se emocionava, saudade entrevista naquele olhar de solidão. Depois, não se mexeu mais; é possível que não quisesse atrapalhar a atenção do fotógrafo.

Quando as fotografias ficaram prontas, o homem escolheu duas delas, as que considerava mais bonitas. No verso das duas, escreveu com dificuldade, desenhando as letras: “Maê, amor, juradir”. Da pastinha puída que carregava, retirou um envelope pardo e, com cuidado, colocou neles os dois retratos.

“Vou mandar as fotos para a minha mãe. Ela vai ficar feliz de me ver de novo.” – ele sorriu, sempre tímido.

Então, ficou uns instantes sem saber o que fazer, o olhar baixo; parecia tomar coragem para uma decisão grande. Quando levantou os olhos, rosto em fogo, já tinha a decisão tomada. Tirou da carteira um papelzinho roto e manchado – o endereço da mãe – e estendeu-o ao fotógrafo.

“O senhor não me faz o favor de escrever estas palavras no envelope?”


Outros Contos


REENCONTRO

TANTO TEMPO

O BILHETE – II

O ACASO

APOSTA

AS FLORES DE MARÍLIA

ACERTO DE CONTAS

A VOZ

DESCONFIANÇA

O BILHETE – III

MÃOS DADAS

A CULPA É DELA

JAIRO

ANDANDO NA CHUVA

AS FLORES DO CAMPO

AS COISAS COMO ELAS SÃO

WALDISNEY II

AS COTAS

E AGORA ELE DISSE QUE VAI FICAR COM ELA

TELEFONEMA PREMIADO

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais