GRITO

Ele dormia um sono profundo quando escutou o grito. Grito lancinante, de pavor escancarado, o grito de alguém que sofria de verdade. Abriu os olhos em susto, sem saber o que estava acontecendo – o lamento ainda se escutava forte, imperioso - e olhou o relógio: duas e meia da manhã. Só então acordou por inteiro, o peito em sobressalto, e olhou ao redor na escuridão do seu quarto: o uivo humano estava lá embaixo e já começava a diminuir.

No meio de seu nervosismo, tentou ordenar um pouco as idéias antes de levantar. Enfim decidiu: vou ver o que é que está acontecendo. Um grito apavorado e apavorador - a alma ainda assustada.

Quando abriu a janela do apartamento, enxergou lá embaixo o homem deitado no canto da rua, um corpo estendido no asfalto e a cabeça apoiada na faixa amarela do cordão, que já se tingia de vermelho. Constatou que era um homem jovem: a barba por fazer não escondia a pouca idade que parecia se acabar naquela hora. À luz esbranquiçada do poste, era possível perceber a mancha rubra que empastelava os cabelos e começava a sujar a calçada.

Firmou a visão e pareceu-lhe que o homem, lá embaixo, se mexia. Mas foi apenas um breve de dúvida, não era nada disso: o movimento era apenas o bruxuleio dos insetos ao redor da luz do poste.

Este homem está vivo ou morto? - pensou ele, do alto de sua janela confortável.

Espreitou ao longe, na escuridão da madrugada, a ver se conseguia enxergar alguém, os passos fugitivos de quem fosse o causador daquele homem deitado, mas não: não havia ninguém, a rua daquela noite parecia um deserto tranquilo. Só o grito quebrara a serenidade da noite.

O que fazer, perguntou-se.

Olhou para o alto, para os lados; não havia outra janela aberta. Em todos os edifícios: nada. Parecia que mais ninguém havia escutado o uivo triste e último daquele corpo que agora se avermelhava dois andares abaixo, estendido no abandono noturno da calçada. Ninguém mais – mas era impossível, ele sabia que era impossível. Num prédio próximo, pareceu perceber a luz de uma lâmpada que se apagava.

Ninguém nas sacadas, ninguém nas janelas, ninguém na rua – a não ser aquele corpo que berrara ainda há pouco o seu desespero final e agora era voz que não existia mais.

Ninguém.

Então fechou a janela, apagou a luz.

E voltou para a cama, a tentar dormir novamente.


Outros Contos


2017

PRESENTE

AQUI TEM –

O CASACO DE LISTRAS AZUIS

O CHAPÉU MÁGICO

O PRIMEIRO AMOR A GENTE NUNCA ESQUECE

JOGANDO BOLA NO CÉU

AQUELE CLIMA DE INDECISÃO

LADY MADONNA

2015

BRIGITTE BONJOUR

NESTE CARNAVAL EU VOU BEBER!

POR ONDE ANDARÁ RICARDO?

SAPATOS NOVOS

AS PALAVRAS DA CASA

O ERRO NOS OLHOS

ALTA SOCIEDADE

CENA PEQUENA

O HAITI NÃO É AQUI

AS OPÇÕES

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais