DONA LIDIANE

- Bom dia, dona Lidiane.

- Bom dia, doutor Decio.

É sempre assim.

Doutor Decio chega pela manhã, impecável num charme cinquentão que parece se renovar a cada noite, deseja o bom dia protocolar à Lidiane e, depois de perguntar à secretária se há algum telefonema ou recado importante, anda, com seriedade, à sala em que trabalha. Às vezes, naqueles breves passos, dirige à secretária um sorriso bem educado - mas nunca mais do que isso.

E Lidiane, vinte belos anos recém completados, suspira à cada passagem do chefe.

Nunca, algum pedido para que ela fique até um pouco mais tarde a fim de terminar qualquer trabalho. Nunca, a ordem para acompanhá-lo num jantar com clientes. Nunca, aquelas cartas ditadas como em filmes ou novelas. Nunca, um roçar em seu braço – ainda que acidental. Nunca, uma insinuação. Nunca, um comentário mais malicioso sobre a minissaia que Lidiane às vezes veste.

Nunca nada.

Lidiane é bela, querida, inteligente. Todos os colegas do escritório já a convidaram para sair - e a todos, com cortesia, ela disse que não. Todos, menos o único por quem gostaria de ser convidada. O único que a chama de dona Lidiane, e não apenas de Lidiane.

Mas o doutor Decio está lá, absorto em seus problemas e questões profissionais, imerso em contratos e telefonemas, envolvido com grandes vendas e negócios, e não enxerga a pequena secretária que, dia após dia, se consome numa paixão quase invisível. Mas que nem por isso deixa de se renovar a cada manhã, sempre que o doutor Decio chega e deseja um cortês bom dia à secretária.

Um tormento. Tormento que se repete todos os dias.

Talvez eu deva pedir demissão, pensa Lidiane.


Outros Contos


POR ONDE ANDARÁ RICARDO?

DIA INTERNACIONAL DA MULHER

MAX, QUE TRATA BEM AS PALAVRAS

AQUI TEM –

Ô, GOSTOSA!

A IMAGEM QUE O ESPELHO ME DEVOLVE

SURPRESA NA CHAMINÉ

FORTE APACHE

A CIDADE EM OLHOS DE PRESENTE

AS COTAS

GRITO

O ERRO NOS OLHOS

LUCIA?

SINAL VERMELHO

DOWN?

SONHOS À VENDA

AS EXPLICAÇÕES DO ESTUPRADOR

O BILHETE – III

O ARTESÃO

JANICE QUANDO CHEGOU

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais