SÓ UM CAFÉ

Só um café, ela havia lhe dito. Este era o tempo que teriam para conversar.

Ele lembra bem deste limite enquanto a espera, nervoso e angustiado, mãos úmidas num dia sem calor, neste bistrô em que não costumam ir. Escolheu o lugar justamente porque não o frequentam: não há os vícios dos ares antigos a atrapalhá-lo enquanto fala e terá menos vergonha se desabar frente a desconhecidos.

Só o tempo de um café, ela dissera. Neste tempo, pensa ele, precisará dizer tudo o que ensaiou em casa, ainda ontem, um pouco antes de ligar e dizer a ela que precisavam conversar. Não, confessa: de pedir a ela para conversarem. Neste tempo – o tempo de um café – terá que conseguir pedir o perdão necessário, dizer o quanto foi estúpido e continua sendo, e o quanto não quer mais ser. E terá que ser mais do que convincente – ser convincente não bastará. Também precisará dizer, a voz tão firme quanto possível, que ela é a mulher da sua vida e que ele não repetirá as besteiras que sua estupidez o faz fazer. Tudo rápido, tudo no tempo certo – tudo no tempo de um café. Nestes minutos que ela lhe conceder, ainda precisará encontrar o jeito de lembrá-la do quanto haviam sido felizes, do início em que ele fora inteiro uma flor doce de sensibilidades e o quanto estaria pronto para voltar a este início. Precisará lembrá-la destes primeiros tempos de leveza, mas antes precisará lembrar a si mesmo – tanto tempo de distância, de silêncios sem paciência, de frieza sem motivo, de dias sem sorrisos – e por quê, dá-se conta agora, por quê?

E então precisará pedir que ela lhe dê outra chance. Que volte.

Mas quando ela chega e pede um café rápido ao garçom, sem olhá-lo nos olhos e parecendo pronta e desejosa de ir embora o quanto antes, ele sabe que não haverá tempo para nada.

Será só o tempo de um café.


Outros Contos


SE EU TIVESSE VINTE ANOS A MENOS

AQUI TEM –

SÓ UM CAFÉ

PLÁSTICO

A PROFESSORA

CRÍTICA LITERÁRIA

O GÊNIO NA VIDA DE VICENTE

UM MENDIGO PARADO NO MEIO DA CALÇADA

FELIZ NATAL

SINA

A GENTE DANÇA

MONTEVIDÉU

O AUMENTO (versão 2)

OS TESOUROS

JANICE QUANDO CHEGOU

AS COISAS COMO ELAS SÃO

REENCONTRO

O CASAL

SONHOS À VENDA

UM CARRAU AUTÊNTICO

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais