O ACASO

E então Antonio andava distraído pelo parque, protegido pelo acaso, naquela manhã de sol pleno e derramado de domingo. Manhãs ensolaradas de domingo são tempos que não devem passar, pensava ele no conforto fácil de suas calças de abrigo e no all star gasto por bons e maus caminhos.

Ia tranquilo, pensando um pouco no almoço e outro tanto em nada, quando de repente passou ao seu lado, correndo e sem vê-lo, elegância de Balenciaga em seu uniforme de corrida, a mulher mais linda do mundo. É esta a mulher da minha vida, pensou Antonio num átimo, e quando percebeu corria em seus desajeitos atrás dos passos suaves da desconhecida. Pouco pode vê-la nesta corrida, Henrique, preocupado que estava em manter o fôlego e não perder de vista aquela que, de uma hora para a outra e por obra e graça do acaso, podia ser a mulher de sua vida.

A mulher saiu do parque, ainda correndo, e correndo seguiu pelas ruas próximas, até entrar numa casa daquelas em que a Poesia vive dias sem sobressaltos, como um gato na vidraça ensolarada. Flores na janela, cortininhas de voal, a casa de pedra, canteiros no pátio, muro baixo – a Poesia não vive bem em casas de muros altos. Antonio pensou que a casa era bem a casa da mulher de sua vida. E que entrara assim ao acaso em seus dias, sem sequer saber ainda que ele existia!...

Ele voltou para casa esquecido do almoço e decidido a fazer com que ele próprio entrasse na vida da mulher de sua vida como ela havia entrado na sua. Não sabia nada sobre ela; o seu nome, o que fazia, se tinha joanetes, se preferia gatos a cães, o seu time de futebol, suas músicas preferidas, o prato predileto. Não sabia sequer se ela era solteira.

Mas o que sabia é que o destino não poderia ter colocado à sua frente, sem maior motivo, alguém que lhe acendera na mesma hora todos os bons alarmes do corpo. Sorte, destino, fado ou acaso, pouco importava: a mulher de sua vida aparecera e não podia deixar a chance passar.

Armou-se de flores e versos, encheu-se daquela coragem que só tem os apaixonados, vestiu-se de cores novas, calçou seus sapatos de vento e correu a apresentar-se à casa daquela que, pensava, podia ser a mulher da sua vida.

Mas a mulher não estava. Quem atendeu a porta, beleza e sorriso de quem sempre soube, foi a irmã dela. Luminosa. E naquele instante, enquanto a irmã sorria o seu sorriso iluminado e sem motivos, Henrique soube, sem que nenhuma dúvida lhe restasse, que agora, sim, estava em frente da mulher da sua vida.


Outros Contos


AS ESCOLHAS

PROGRAMA DE BEM ESTAR

BURRO DA PÁSCOA

CARTA DE AMOR

S/A

A ESCOLA

NA FOTOGRAFIA

QUINZE ANOS

LINHAGEM

O MEDO EM QUE ELA VIVE

O AUMENTO (versão 2)

2015

TELEFONEMA PREMIADO

OS TESOUROS

TOM MENOR

O PRIMEIRO AMOR A GENTE NUNCA ESQUECE

A IMAGEM QUE O ESPELHO ME DEVOLVE

AS OPÇÕES

OFERENDA

DESCONFIANÇA

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais