DESDE O INÍCIO

Desde o início, ele bem que sabia que La Violeta não podia ser uma brincadeira. Desde o início. A dama maior do cabaré, o último espetáculo da noite, aquela por quem os homens esperavam e ficavam loucos. A mulher para quem os homens atiravam dinheiro sem remorsos.

Desde o início, ele bem que sabia que o olhar de La Violeta era algo que andava por cima de tudo, que lhe dizia para tentar e tentar até não conseguir, que aqueles brilhos azuis às vezes verdes podiam paralisar sem medo do próprio feitiço. Aquele olhar encantava sereias – ele bem que sabia.

Desde o início, quando ela o olhou de cima do palco, no meio da dança, e ele percebeu que havia sido percebido, quando ela lhe jogou a rosa carmim que carregava entre os lábios, ele bem que sabia que o problema estava logo à frente, e que mergulhar nele era algo que podia estar além de seus braços.

Desde o início, ele bem que sabia que uma mulher como aquela, La Violeta, preço que ele nunca conseguiria pagar, perfumes caros e anéis de prata, era certamente a protegida de algum poderoso. E que este poderoso, dinheiro e ternos brancos de lapela larga, era também perigo de morte, revólveres e capangas, tiros e sumiços inexplicados.

Desde o início, por tudo isso, ele bem que sabia que La Violeta era tanto fascínio quanto problema. Que o certo para ele, pé rapado sem nome, seria economizar para uma noite de sonhos e depois nada mais. O errado, ele sabia, era apaixonar-se.

Desde o início, ele sabia dos perigos. Mas quando ela o olhou de cima do palco e ele sentiu que a paixão nascida naquele instante já estava muito além de suas forças, tudo ele esqueceu.

Por isso está aqui, agora, apavorado, equilibrado num beiral estreito de uma sacada do oitavo andar do edifício onde vive La Violeta. O protetor e suas armas haviam chegado de repente na madrugada, justamente quando La Violeta e ele, saciados de tanto, dormiam aconchegados. Foi só o tempo do pânico e de atravessar a janela do quarto: conseguisse equilibrar-se lá fora e teria a chance de não morrer; enfrentasse os dois metros do protetor e certamente não teria.

Desde o início ele sabia que apaixonar-se por La Violeta também era arriscar-se à morte. Desde o início. Mas mesmo assim, ele pensa enquanto enxerga as luzes dos carros e da cidade lá embaixo, havia se apaixonado.


Outros Contos


FORTE APACHE

DEPOIS DO NATAL

SINAL VERMELHO

SE EU TIVESSE VINTE ANOS A MENOS

MULTICORES

O HOMEM NO BAR

AO VIVO, DIRETO DO EVENTO

O FILHO

AS COTAS

JAIRO

O GRITO (OS GRITOS)

BOA VIZINHANÇA

PAIXÃO

O MAIS TRISTE

A CHUVA SEMPRE

DEZOITO ANDARES

AO MAR

INDENTIDADE

O SENHOR LUGAR COMUM VAI VOTAR

O PALHAÇO NO SINAL

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais