ATRAQUE

Mão na cabeça aí, negrão, e olhando para a parede! Para a parede, eu já disse, e sem invenção de moda que senão o bicho pega. Agora abre as pernas, coração, e ligeiro porque hoje eu tô sem paciência. Hora da revistinha básica. Não vem que não tem, não quero nem um pio, só abre as pernas que a gente sabe que tu tá bem acostumado a um atraque! Isso aí, quietinho e colaborando, que é muito melhor para ti. Fazendo cara de bonzinho, isso aí... Vamos dar uma olhada pra ver o que é que a gente encontra? Mas olha só, Dorival, o que é que eu acabei de achar no bolso da calça do boneco? Um isqueiro, rapaz, um Bic novinho e pronto pro uso! Tá começando a aparecer a bagulhada, hein negrão? Não te mexe, já falei, não te mexe, olhando a parede! Cuida ele aí, Dorival, se ele se fizer de besta mete bronca no moreno. O isqueirinho já tá na mão, daqui a pouco a gente encontra o pacotinho com a erva, o cachimbinho da pedra, quem sabe? Tu tem jeito de malandro forte, meu, essa cara de apavorado não engana ninguém. Não te faz, porque eu tou te cuidando. E, opa, o que é que é isso no bolso da camisa? Uma carteira de cigarro!...Pela metade, a carteira... Viu só, Dorival, a malandragem sempre tenta disfarçar. Só prá dar o disfarce que o isqueiro é pra acender um cigarrinho careta...decerto jogou fora a erva e o cachimbinho. Mas a nós é que tu não engana, negrão. E o que é que é isso aí, junto com o dinheiro? A carteira de trabalho? Assinada? Grande coisa, o que tem de sem-vergonha andando por aí com carteira assinada não tá no gibi!... E tá voltando do emprego? Sei, sei, todo malandro é inocente e tá sempre voltando do emprego. Sempre a mesma história... Mas essa aí não cola mais. Recolhe aí, Dorival, pega este isqueiro, o maço de cigarro, as merrecas e a carteira de trabalho do nosso amigo. Opa, opa, parado aí, elemento, já falei que não é pra se mexer! Não fica nervoso que é pior prá ti. E só pra te lembrar, malandro: quem não deve, não teme! Se tá nervoso é porque alguma coisa tu fez.... E pára de tremer, negrão, o que é que parece um homem desse tamanho tremendo igual vara verde? Já falei: se tá nervoso, é porque tem problema. E se tem problema, aí o buraco é mais embaixo. Mas não é a gente que vai resolver isso, não é Dorival? A gente aqui só fazemos o nosso serviço, não é Dorival? Problema é pra ser resolvido pela autoridade, não é Dorival? E é isso que vai ser feito, não é Dorival? Dorival, acompanha o rapaz até a viatura, por gentileza, porque acho melhor ele explicar este isqueiro lá na delegacia.

Outros Contos


O CASAMENTO

A MOÇA DO 20º ANDAR

O BILHETE – III

MAX, QUE TRATA BEM AS PALAVRAS

A BANDALHEIRA

2016

VIZINHAS

A FESTA DE NÃO MORRER

OS OLHOS DO MEU FILHO NOS OLHOS DE OUTRO FILHO

A ETERNIDADE DURA MUITO

QUE SEJA ASSIM

NA FOTOGRAFIA

A MÃE E A FADA DO DENTE

A TRAGÉDIA

PROCURANDO GILSON

O PASSO EM DIREÇÃO

CRIANÇA TEM QUE SER FELIZ

PAIXÃO DE CARNAVAL

MAX, QUE TRATA BEM AS PALAVRAS

ERENITA

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais