BETÂNIA EM SEUS SONHOS

Betânia sempre soube escolher os próprios sonhos. Desejava sonhar com flores e então sua noite era um campo cheio de margaridas; pensava em algum cheiro bom e seu quarto acordava rescendendo a alfazemas; lembrava de pai e mãe e seu sono mergulhava nas cores boas da infância; pensava no colega bonito e seus lençóis amanheciam úmidos.

Assim, controlava as noites e equilibrava os dias. Houvesse o dia sido duro e o sonho seria leve; se o dia fora tranqüilo, o sonho podia correr um pouco mais. Um deleite, este poder – invejado por todos.

Mas cansam as vitórias muito fáceis e então houve o dia em que Betânia achou que não devia mais sonhar apenas com obviedades, com o esperado. Tudo tão chato. Não só um campo de margaridas, o colega, as lembranças da infância – tão previsíveis, noite após noite -, mas sim, por exemplo, as flores sendo engolidas por dinossauros no meio da cidade, o colega em gritos de desespero por motivos que desconhecesse, a infância sacudida por tremores adultos. Emoções novas e inesperadas nos sonhos, era o que desejava Betânia. Sonhos misturados, um pouco fora de controle. Certamente seriam mais divertidos.

E então relaxou e começou a sonhar sem fronteiras.

Mas os sonhos de Betânia, antes tão comportados, pareceram gostar deste descontrole. E decidiram ir além do que ela decidira.

Betânia começou a sonhar mais com dinossauros do que com os campos de margarida, mais com os tremores adultos do que com a própria infância, e o colega de trabalho apareceu sem cabeça no meio de uma madrugada desavisadamente violenta. E todos os outros sonhos assim: perigosos, descontrolados, assustadores, desconhecidos.

Betânia tentou voltar às noites tranqüilas, mas não conseguiu: o sono parecia haver ganho uma vida nova, com emoções tão inesperadas quanto perigosas, e já não se rendia às ordens de sua dona. As noites de Betânia agora sonhavam por si. Um horror.

****

Há duas semanas que Betânia não prega o olho. Está morrendo de sono, prestes a colapsar de cansaço, mas não se entrega, tanto o seu medo. Se não pode mais decidir os seus sonhos, ao menos decidiu que já não dormirá mais.

Porque nunca sabe o perigo que encontrará no próximo sonho.


Outros Contos


BRIGITTE BONJOUR

FELIZ NATAL

AS PALAVRAS ATIRADAS

ELE NÃO SABE

O ERRO NOS OLHOS

O MEDO EM QUE ELA VIVE

UM DIA ENSOLARADO DE PRIMAVERA

CARTA DE AMOR

OS OLHOS DO MEU FILHO NOS OLHOS DE OUTRO FILHO

O CHAPÉU MÁGICO

É O JOGO

O HORROR

INFÂNCIA MODERNA

A GAROTA NO ÔNIBUS

CONCERTO

ALGUÉM SABE

O GÊNIO NA VIDA DE VICENTE

SINA

O FLECHA

NO ELEVADOR

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais