O MEDO EM QUE ELA VIVE

Susara está sozinha no ponto de ônibus, no meio desta noite sem lua. Normalmente, há outras pessoas esperando a chegada do coletivo, mas hoje – estranhamente - não há ninguém. Ela sente o desconforto, a tensão desta solidão inesperada e escura, e olha para os lados, na esperança dividida de que chegue alguém e de que ninguém chegue. Olha o relógio, os minutos não passam - medo meio sem nome.

O homem que chega tem um andar soturno e triste. É grande e está mal arrumado; parece haver saído às pressas de algum lugar. A mulher tenta não olhá-lo, mas é impossível – ele a cumprimenta em voz alta, e em seus olhos há um brilho sombrio que arrepia Susara, sem que ela saiba exatamente a razão. Tem medo, ela, um medo súbito; de repente não está mais só, e isso a assusta. Mas é estranho, este medo: não é exatamente do homem que chegou, mas da lembrança inexata que os olhos dele lhe trazem.

De repente, aterrada, ela percebe: o desconhecido tem o mesmo olhar de seu ex-namorado. O homem que passara da paixão à violência de um dia para o outro, que a tratava como posse, que lhe controlava as roupas e movimentos, não a deixava olhar para os lados quando estivessem juntos. E que, quando ela enfim teve forças para dizer que não o queria mais, lhe aplicara uma surra que a deixara dias sem conseguir mover-se direito. Uma semana depois, num arrependimento bêbado, gritara em frente à casa de Susara que tudo o que fizera tinha sido por amor. Ela havia chamado a polícia, apavorada, e ele gritara que ela era a mulher da sua vida, e que eles ficariam juntos, com certeza.

O monstro.

Desde então, os dias de Susara são um sobressalto. Cada ruído na rua é um susto. Cada sombra na esquina é um pânico, o silêncio à noite em casa é cheio de horrores. Em cada pessoa, a chance de uma lembrança – e o novo medo. Os olhos deste desconhecido talvez nem lembrem verdadeiramente os do namorado, mas.

E então o ônibus chega, Susara sobe sem pensar.

Só quando ele arranca, é que ela se dá conta de que não vira o número da linha. Não sabe se é este mesmo o seu ônibus.

Mas não faz mal, pensa ela. O que importa é sair dali.


Outros Contos


O CAVALEIRO E SEU CAVALO

A BAILARININHA

O FLECHA

O CHAPÉU MÁGICO

SAPATOS NOVOS

SETE DE MARÇO

DESCULPAS

UM DIA ENSOLARADO DE PRIMAVERA

ESTÁTUAS VIVAS

NESTA ÉPOCA

NO ELEVADOR

AQUELE MENINO SÍRIO

ESTE DOMINGO

POR ONDE ANDARÁ RICARDO?

AS TRUFAS

NA FOTOGRAFIA

S/A

GOSTO DE XIXI QUENTE

A BANDALHEIRA

FERIADÃO

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais