EU TE AMO

Antonio anda feliz como cachorrinho novo. Há três semanas, depois de sabe lá quantos meses de marchas e contramarchas, avanços e recuos, finalmente conseguira começar o namoro com Isabel. Nossa Senhora do Céu, pensa ele! Isabel tão linda, tão maravilhosa, uma boneca, tanta areia para o seu pobre caminhãozinho – o trabalhão que tivera para conquistar a mulher!... Enorme empenho, tentativas, intrincadas estratégias – ganhar uma guerra seria mais fácil, mas muito menos importante.

Mas valera a pena o esforço. O fato é que nunca antes namorara alguém que tão completamente o completasse. Com Isabel, Antonio sente-se pleno, passos leves sobre as nuvens. Ele, que a vida inteira fora um tosco, sempre bronco, de repente se sente o homem mais romântico de todos. Não fosse o ridículo de carregá-las na rua, até flores compraria para Isabel.

Ah, Cupido acertou em cheio quando lhe flechou o peito, admite Antonio. Está apaixonado. Mais do que isso: difícil ao seu coração duro admitir, mas a verdade é que está amando. E é o que agora, talvez pela primeira vez na vida, ele dirá a uma mulher. Aguarda por ela neste café, respiração aos saltos, apenas para dizer-lhe que a ama.

E é o que faz, tão logo Isabel senta-se à sua frente. Sem esperar, sem dar chance à desistência.

“Eu te amo.” – diz ele, palavras em fogo.

A mulher enrubesce, sorri.

“Oh, que coisa linda!” – diz ela. – “Assim eu fico emocionada!...” – e cobre Antonio com beijos carinhosos.

Mas, até o final do café, não diz que o ama.

******

Uma hora depois do café e Antonio está em casa, sozinho, pensando na não-resposta de Isabel. Tanto ensaio, tanto suor nas mãos, tanto medo vencido, tanta coragem e bravura, apenas para ela dizer que aquilo era lindo e que ficava emocionada? Ora, mas que pataquada era aquela? Onde já se viu a mulher receber uma declaração daquelas e não dizer ´eu te amo´ também? Onde já se viu? E quem dona Isabel estava achando que era? E, pensando bem, ela nem era tão maravilhosa assim...

Acho que está na hora de terminar com este namoro, pensa Antonio.


Outros Contos


OITO DE MARÇO

O CANÁRIO

O ABRAÇO, AI, O ABRAÇO

QUE SEJA ASSIM

BURRO DA PÁSCOA

DIA DOS NAMORADOS

O BIGODE

ESPERA

Ô, GOSTOSA!

A SUPER LUA

A ESCURIDÃO

AQUELE CLIMA DE INDECISÃO

O PASSO EM DIREÇÃO

O MEDO INVISÍVEL

UM DIA ENSOLARADO DE PRIMAVERA

O CONTO AO VIVO

TRINTA ANOS E ESTA FOTO

QUANDO VOCÊ ME DEIXOU, MEU BEM

RETRATO PARA A MÃE

CIRCO

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais