NO ELEVADOR

Entro no elevador, a velhinha me olha e interrompe a animada conversa que mantinha com sua amiga.

“O senhor é o filho do Pedro Augusto, não é?” – (o respeito solene dos mais velhos, sempre dando senhoria aos demais, mesmo aos mais jovens.)

Sim, respondo. E o olhar da senhora parece se enternecer:

“É a cara dele. Muito parecido...”

Eu sorrio, com saudade. Meu pai morreu há poucos anos e ninguém se acostuma verdadeiramente a isso. E parece que toda a cidade o conhecia; o tempo inteiro, alguém me pergunta por ele.

“Eu conhecia o Pedro Augusto.” - (sim, toda a cidade o conhecia). – “Aliás, fui colega dele na escola.”

“Olha só!...” – digo eu, e sorrio – as memórias da senhora devem ter mais de sessenta anos.

“Nossa, o seu pai não parava quieto! Sempre inventando alguma coisa, conversando com todo mundo! Um azougue, ele!”

Sigo sorrindo, não é preciso dizer nada – aquele de quem a senhora fala era realmente o meu pai. Sempre buscando coisas novas, inventando novidades, envolvendo todo mundo em seus bons projetos. As pessoas gostavam dele por isso, penso.

“Depois, cada um foi pro seu caminho...” – diz a senhora – “Mas eu me lembro dele sempre deste jeito, muito ativo...”

"É, o pai sempre foi assim...” – concordo, enquanto a porta do elevador se abre.

A velhinha e a amiga saem, deixando-me sozinho no elevador, um pouco enlevado com estas renascidas lembranças. Presto atenção à memória de meu pai naquele momento, não à senhora que se afasta – a senhora que, com duas frases, trouxe meu pai um pouquinho de volta.

Mas ainda assim a escuto dizendo à amiga:

“Este Pedro Augusto, sabe? Na verdade, ele era um chato...”


Outros Contos


O ATALHO

OUTRA CENA DE PRAIA

O CASAL

MULTICORES

CORRESPONDÊNCIA

AS UVAS VERDES

O ARTESÃO

RESPEITO

O DIA DO PAI

QUE SEJA ASSIM

INDENTIDADE

AINDA GILDA

OS PASSEIOS COM MINHA IRMÃ

DIA DOS NAMORADOS

DEZOITO ANDARES

O GÊNIO NA VIDA DE VICENTE

DANÇAR A DANÇA INVISÍVEL

AS PRIMAVERAS

O ACASO

O HOMEM QUE VIRA A PÁGINA DA PARTITURA

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais