AS COISAS COMO ELAS SÃO

Antonio me ligou, a voz numa ansiedade só, e disse que precisava falar comigo com urgência. Meia hora depois, eu o esperava num café próximo à minha casa.

Ele entrou, sentou-se com certo peso derrotado e foi logo pedindo um uísque – e ainda não eram quatro da tarde.

“Estou me separando de Luciana. As coisas não dão mais certo entre nós.” – desabafou.

Eu achava que poderia ser mesmo este o assunto. Conheço-os bem e há anos; percebo que, nos últimos tempos, andam ambos diferentes. Esquivos, os assuntos raros, os silêncios incômodos, as tristezas sem nome.

“E acho que ela tem outra pessoa.” – confessou ele, depois de uns segundos de indecisão.

“Como assim?” – me surpreendi.

“Não sei bem, mas tenho quase certeza que sim. Seguido ela chega mais tarde em casa ou sai sem grandes motivos, dá uma desculpa qualquer – compras, trabalho, a conversa com alguma colega...”

“Mas tens alguma desconfiança? Sabes quem pode ser?” – perguntei.

“Queres saber se eu a segui, alguma vez? Não.” – me respondeu ele. Depois adendou, desolado – “Eu não conseguiria.”

Já disse que somos amigos há anos. Assim, consolei-o por algum tempo, escutando-o e respondendo algumas frases feitas, enquanto ele tomava outro uísque. Depois perguntei se daria para repensar, voltar atrás.

Ele pensou um pouco, e então respondeu que não. Doída, a voz de Antonio. Doída e engrolada. Depois, pedindo mais um uísque, perguntou se não poderia ficar na minha casa por alguns dias.

“Só até eu me organizar.” – completou ele.

Claro, respondi. Há um quarto vago em meu apartamento e não há como deixar sem amparo um amigo de tantos anos.

Além disso, Luciana e eu podemos nos encontrar em outro lugar por algum tempo.


Outros Contos


ALICE NÃO MORA MAIS AQUI

SONHOS À VENDA

O CANÁRIO

AS PALAVRAS ATIRADAS

MULHER GRÁVIDA

O SENTIDO DA VIDA

O ENDEREÇO

JANICE QUANDO CHEGOU

NO CAFÉ

MONTEVIDÉU

OS CINCO HOMENS VELHOS

QUINZE ANOS

CONCERTO

PROGRAMA DE BEM ESTAR

O AUMENTO (versão 2)

O PERSONAGEM QUE ME ESCREVE

NÚMERO DESCONHECIDO

A FAMÍLIA

ASFIXIA

CARTA DE AMOR

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais