ALGUÉM SABE

Quando Ana Cecília chegou em casa, espantou-se com o bilhetinho embaixo da porta de entrada. E quando abriu, foi um susto, um medo. No papelucho, toscamente recortadas letra por letra de alguma revista, estavam apenas as duas palavras:

“Alguém sabe”

Ana Cecília olhou para os lados, amedrontada, como se quem houvesse colocado o panfleto embaixo da porta ainda pudesse estar por ali. A escuridão repentina da noite, a sensação de fragilidade, a fortaleza da casa subitamente escancarada. Tudo isso, na ameaça contida naquelas palavras simples: alguém sabe.

Mas quem será este alguém? – pensou ela.

E este alguém, sabe o quê? – horrorizou-se.

E por que, este bilhete? Este terror gratuito?

O medo.

Era, na verdade, uma ameaça dupla: alguém (que Ana Cecília não sabia quem era) sabia de algo importante (e fazia questão de avisá-la...)

Ela sentiu um arrepio de medo, invadida. Fechou rapidamente a porta da casa, trancou-a e acendeu as luzes de todas as peças. Olhou pela janela aberta e arrepiou-se com o breve tremor que a brisa levava aos galhos das árvores; então fechou a janela, rápida. Ligou a TV num volume alto, sem perceber em que programa sintonizara, apenas para não escutar qualquer ruído inexistente. Depois, serviu-se uma dose de uísque sem gelo e sentou-se no sofá da sala, tentando acalmar-se do medo que esta ameaça anônima lhe trazia. Mas não conseguiu: logo estava ligando para alguém, algum amigo, qualquer amiga que pudesse acolhê-la naquela noite impossível. Não vou conseguir dormir nesta casa, pensou Ana Cecília, aterrada, olhando para o bilhete. Talvez tenha até que se mudar, porque não vai ter força para agüentar novas ameaças.

Afinal, alguém sabe.

E Ana Cecília não sabe o que esta pessoa sabe.

É isso o que a assusta tanto.

*os textos publicados nesta coluna são obras de ficção


Outros Contos


QUE SEJA ASSIM

AS COTAS

AS TEIMOSIAS

A HORA EM QUE OS CAFÉS FECHAM

LIXO

QUALQUER DIA QUE NÃO SEJA 8 DE MARÇO

TODAS AS HISTÓRIAS DÃO UM LIVRO

OS OLHOS DAQUELE MENINO

O IPÊ

ONDE ANDARÁ ESTE FUTURO?

O LEITOR MANDA

O CÃO AZUL

CRÍTICA LITERÁRIA

LIBERDADE DE OPRESSÃO

O CHAPÉU MÁGICO

ESCOLHER O SORRISO

OS ANÉIS

BOA VIZINHANÇA

A COPA

ANDANDO NA CHUVA

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais