ALGUÉM SABE

Quando Ana Cecília chegou em casa, espantou-se com o bilhetinho embaixo da porta de entrada. E quando abriu, foi um susto, um medo. No papelucho, toscamente recortadas letra por letra de alguma revista, estavam apenas as duas palavras:

“Alguém sabe”

Ana Cecília olhou para os lados, amedrontada, como se quem houvesse colocado o panfleto embaixo da porta ainda pudesse estar por ali. A escuridão repentina da noite, a sensação de fragilidade, a fortaleza da casa subitamente escancarada. Tudo isso, na ameaça contida naquelas palavras simples: alguém sabe.

Mas quem será este alguém? – pensou ela.

E este alguém, sabe o quê? – horrorizou-se.

E por que, este bilhete? Este terror gratuito?

O medo.

Era, na verdade, uma ameaça dupla: alguém (que Ana Cecília não sabia quem era) sabia de algo importante (e fazia questão de avisá-la...)

Ela sentiu um arrepio de medo, invadida. Fechou rapidamente a porta da casa, trancou-a e acendeu as luzes de todas as peças. Olhou pela janela aberta e arrepiou-se com o breve tremor que a brisa levava aos galhos das árvores; então fechou a janela, rápida. Ligou a TV num volume alto, sem perceber em que programa sintonizara, apenas para não escutar qualquer ruído inexistente. Depois, serviu-se uma dose de uísque sem gelo e sentou-se no sofá da sala, tentando acalmar-se do medo que esta ameaça anônima lhe trazia. Mas não conseguiu: logo estava ligando para alguém, algum amigo, qualquer amiga que pudesse acolhê-la naquela noite impossível. Não vou conseguir dormir nesta casa, pensou Ana Cecília, aterrada, olhando para o bilhete. Talvez tenha até que se mudar, porque não vai ter força para agüentar novas ameaças.

Afinal, alguém sabe.

E Ana Cecília não sabe o que esta pessoa sabe.

É isso o que a assusta tanto.

*os textos publicados nesta coluna são obras de ficção


Outros Contos


O SENHOR LUGAR COMUM VAI VOTAR

PRIMEIRA PÁSCOA

AQUELE MENINO SÍRIO

DIA INTERNACIONAL DA MULHER

TIA ESTER

ACERTO DE CONTAS

AS TEIMOSIAS

FIM DE NOITE

FORTE APACHE

CENA URBANA

FRIO ALÉM

JOGANDO BOLA NO CÉU

APOSTA

O CASACO DE LISTRAS AZUIS

O HAITI NÃO É AQUI

NÓS PRECISAMOS CONVERSAR

PAIXÃO

A TRAGÉDIA

S/A

É O JOGO

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais