MULTICORES

O céu azul, o coco verde, o ipê amarelo, a pimenta vermelha, o negro gato, a bandeira branca, a cor de burro quando foge, a vida cor de rosa, os olhos cor de mel, o cabelo ruivo, a imprensa marrom, a lua de prata, à noite todos os gatos são pardos, o sinal vermelho, o sinal amarelo, o sinal verde, os olhos negros, o cisne branco, a cor do pecado, alguém que fica bege, o repolho roxo, o dia cinza, a carne branca, a loira gelada, o tudo azul, os campos verdes, a moça do corpo dourado do sol de Ipanema, a carta branca, a manga rosa, o ouro negro, a uva rosa, o vinho rosé, o caldo verde, jade, o ipê roxo, a cerveja preta, o jacaré de papo amarelo, o marrom glacê, a laranja, o mico-leão dourado, a nuvem branca, a ovelha negra, o vermelho de raiva, a praia azul, o canário amarelo, a galinha ao molho pardo, a maçã verde, a uva branca, o vinho branco, a roxo de vergonha, a pantera cor de rosa, o sorriso amarelo, o coral, a fruta verde, as areias brancas, a carne vermelha, os cabelos pretos, a uva preta, o vinho tinto, os versos brancos, o mar azul, a morena cor de cuia, o cisne negro, aquilo roxo, o lago dourado, o lápis de cor, a rosa, o furta-cor, a baleia azul, o buraco negro, os lábios vermelhos, o sítio do picapau amarelo, a alba, a massa cinzenta, o cartão amarelo, o cartão vermelho, colocar o preto no branco, a febre amarela, o inferno verde, a arma branca, o monstro verde do ciúme, o perigo amarelo, o sangue azul, a magia negra, o tapete vermelho, a púrpura cardinalícia, o pano verde, a carta branca, o planeta vermelho, o câmbio negro, a abóbora, a magia branca, o bilhete azul, o telefone vermelho, os verdes anos, o cara que amarelou e ficou branco de medo, o continente negro, eu que estou sempre no vermelho, o urucum, hortelã, o boto cor-de-rosa, a greve branca, a mosca azul, o mercado negro, quem fica verde de inveja, o voto em branco, todas as cores, todas as cores, todas as cores, todas elas únicas, cada qual com sua beleza, cada qual com seus defeitos, não há negro melhor que branco e nem branco melhor que negro.

Outros Contos


O PALHAÇO NO SINAL

A CAMISINHA

RODAR, RODAR

TEMPO DE FLORADA

AQUELE MENINO SÍRIO

SAPATOS NOVOS

ALICE NÃO MORA MAIS AQUI

DESCONFIANÇA

FERIADÃO

A ETERNIDADE DURA MUITO

AMANHÃ TALVEZ

O DIA EM QUE A INFÂNCIA TERMINA

A SERENATA

RESPEITO

AQUELE CLIMA DE INDECISÃO

A VIDA É SIMPLES

A MEMÓRIA AO LADO

NAQUELE INSTANTE DE ESTUPIDEZ

AS QUATRO

AS FESTAS

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais