PAIXÃO

Luciana era certamente a mulher de sua vida, soube Éderson no dia seguinte. Ele a havia conhecido na festa de um amigo, na noite anterior, e haviam passado o tempo inteiro juntos, conversando e rindo como já se gostassem há anos, esquecidos de todo o resto, achando prazeres comuns, deliciando-se com as pequenas descobertas. Depois dançaram como se estivessem sozinhos e ela teve a delicadeza de não reparar muito acintosamente na absoluta falta de ritmo de Éderson, cujo maior critério dançarino era o de não acertar nunca um passo. Samba e tango, todos iguais sob os seus pés. Por fim, sem que ela se mostrasse fácil, haviam terminado a madrugada de carinhos no apartamento dele, e foram tempos de maravilha. Quando a deixou em casa, à hora temprana em que o sol já anunciava os primeiros calores daquele domingo, pensou pela centésima vez, desde que a conhecera, que Luciana era certamente a mulher de sua vida.

Quando acordou, pensou nela: o primeiro pensamento do dia. Levantou-se e tentou tocar a vida adiante, simplesmente, mas era uma saudade boa que doía. Agüentou até a metade da tarde, distraindo-se com qualquer coisa, e então decidiu que precisava telefonar: tinha que ver aquela mulher novamente.

A mulher de sua vida.

Luciana atendeu e sua voz era um sorriso claro ao telefone. O coração de Éderson pareceu pulsar em dobro quando ela disse que estava pensando em ligar, mais ainda quando a garota respondeu que também queria vê-lo novamente, mais ainda quando aceitou o convite para saírem naquela semana. Na fala de Luciana, Éderson soube que ela também passara o tempo pensando nele. E quando pode ser, perguntou ele, pronto para adequar sua agenda a qualquer resposta.

“Só não dá para ser na quarta, por causa do jogo do Inter.” – respondeu ela. – “É que jogo do Inter eu não posso perder. Não quer ir comigo?” – ela perguntou.

“Não dá.” – ele riu. – “É que eu sou gremista.”

Do outro lado da linha, houve um silêncio estranho. Depois ela disse, gelo em sua voz:

“Ah, gremista. Pois é...” – e ficou novamente em silêncio, talvez procurando o que dizer. Algo que não fosse muito indelicado.

E naquela hora Éderson soube que havia perdido a mulher da sua vida.


Outros Contos


SAPATEIRO

ELAS

É SÓ UMA ROSA?

DOIS SILÊNCIOS

DÚVIDA

AS FLORES DE MARÍLIA

AS FESTAS

PAIXÃO

A ESCOLA

O BARBEIRO

A VIAGEM

AS PERGUNTAS QUE NÃO SÃO FEITAS

A IMAGEM QUE O ESPELHO ME DEVOLVE

MADRUGADA

SCLIAR

A CASA DA PRAÇA

CENA DE CINEMA

PROGRAMA DE BEM ESTAR

PROFESSOR ZANDOR

O CHAPÉU MÁGICO

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais