AS PRIMAVERAS

Então era agosto, mas já era primavera.

Azar de setembro que ainda não chegou, pensou ele. Porque a primavera chegara antes e já estava instalada, plena e linda, nas cores todas da cidade. Era só andar e perceber. Os ipês, os flamboyants, os jacarandás, sem precisarem de adjetivos – os próprios nomes das árvores já eram poesia. Um perfume leve colorindo a cidade, os cheiros de variadas cores. Tapetes floridos enfeitando as ruas e as calçadas, os pátios e os telhados, os caminhos - e algumas vidas.

Porque havia também certa primavera na alma daquele homem.

Ele havia atravessado o inverno de poucos frios com um gelo interior cujo nome lhe atravessava a garganta sem palavras e achando que nunca, nunca conseguiria vencê-lo. Era talvez um nome de mulher, nome que alguma vez lhe significara alegria, mas que ao partir lhe deixara aquele calafrio de abandono que parecia maior que a vida. Frio que congelava o sol do dia e carregava de áspera insônia as horas intermináveis da noite. Frio que lhe endurecia os olhos e quebrava o sorriso.

Ai, um frio.

Mas aos poucos - porque a vida manda - as cores foram de novo se instalando nele, espantando as geleiras brancas em que se enfiara sem vontade e espanando de seus ombros o pó frio e cinza de sua tristeza. Os dias cumpriram o seu papel de tempo.

Quando o homem conseguiu abrir os olhos de verdade, percebeu que as árvores também haviam renovado suas cores, e este olhar novo aquentou-lhe o coração ansioso. Nossa, pensou ele, a vida seguiu seguindo enquanto eu me morria em silêncios.

E então, sem querer, descobriu que ainda sabia sorrir.

As árvores e sua alma – ambas renovando cores.

Porque era agosto, mas já era primavera. Na cidade e na alma daquele homem.


Outros Contos


SONHOS À VENDA

OS POEMAS DE AMOR

AINDA

O PALHAÇO NO SINAL

RESPEITO

O ENDEREÇO

É SÓ UMA ROSA?

(NA IMAGINAÇÃO)

PARA TI, ESTE RAMALHETE

O CONTO AO VIVO

MULTICORES

O BILHETE – II

A MEMÓRIA AO LADO

O AUMENTO (versão final)

DOWN?

DESCONFIANÇA

OS OLHOS

EU TE AMO

O CHORO AO TELEFONE

MENELAU

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais