O SENHOR LUGAR COMUM VAI VOTAR

O Senhor Lugar Comum vai votar indignado com a roubalheira. No caminho à urna, certamente não se recorda dos meses todos em que trabalhou frio para receber o Seguro-Desemprego, e nem do fato de ter aceitado alegremente a proposta do chefe de receber parte do salário por fora. Também não lembra quando almoça em algum lugar por conta da empresa e pede a nota com valor maior. É pouquinho, nem faz diferença – ele pensa, sempre.

O Senhor Lugar Comum vai votar indignado com as falcatruas. No caminho à urna, já esqueceu do que aconteceu na semana passada, quando pensou em oferecer uma graninha a um guarda para não ser multado por estacionar em local proibido (desistiu quando viu que o mané não iria aceitar). Também não lembra de sua última declaração do Imposto de Renda. Não lembra disso porque sua atenção está voltada para xingar as tais falcatruas e porque quer votar logo de uma vez: depois, ainda precisa passar na casa de um primo e pegar emprestada a carteirinha de sócio dele para ir ao jogo de seu time. Sempre assiste aos jogos com a carteirinha falsa, não dá nada.

O Senhor Lugar Comum vai votar indignado com os privilégios. Mas é claro que está esquecido das vezes em que estaciona na vaga dos idosos e também já não lembra que, mês passado, insistiu com certo amigo que trabalha numa repartição pública para que ele lhe adiantasse o andamento de um processo. O processo furou a fila - está devendo um churrasco ao tal amigo.

O Senhor Lugar Comum vai votar indignado com a sujeirama que fica na cidade – santinhos, cartazes – durante a campanha. No caminho, passa sem perceber pelos cartazes de ofertas que as lojas do centro colaram no passeio público, e pelas caixas de eletrodomésticos – vazias – colocadas na calçada. E porque hoje é domingo, nem repara que os alto-falantes das lojas e das promoções estão desligados.

O Senhor Lugar Comum acha um descalabro que votar seja obrigatório. Mas nas vezes em que o voto é opcional – associação do bairro, conselho tutelar – fica em casa: os outros que decidam por ele, pouco se importa com esta coisa de crianças e adolescentes.

O Senhor Lugar Comum não olha muito para o próprio umbigo no dia em que vota.

Talvez seja o único dia em que não faça isso.


Outros Contos


JOHNNY WILD CONTRA BRONCO JOE

A SERENATA

O ATALHO

LIXO

AQUELE MENINO SÍRIO

RODAR, RODAR

O MEDO EM QUE ELA VIVE

TRINTA ANOS E ESTA FOTO

A CIDADE EM OLHOS DE FUTURO

OS NAMORADOS

O HOMEM MAIS VELHO DO MUNDO

NESTA ÉPOCA

A MÁQUINA

AS UVAS VERDES

ATRAQUE

REGINA RENNÉ

PROGRAMA DE BEM ESTAR

O CAVALEIRO E SEU CAVALO

ESTÁTUAS VIVAS

A SUPER LUA

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais