O ANJO NA JANELA

Renato está sozinho em sua sala, no décimo-oitavo andar do edifício, de onde se enxerga quase toda a cidade. A sala é cheia de carpetes luxuosos e esculturas às quais não tem tempo para prestar maior atenção, ocupado que está – sempre – em números, ofícios, memorandos e preocupações. As rugas em seu rosto são mais velhas que os quarenta e cinco anos que verdadeiramente tem.

Ele está mergulhado em gráficos quando sente, vindos do lado de fora da janela, um barulho enorme, certa lufada forte de ar e um cheiro de tempo antigo. O barulho é grande, algo como mil colibris em vôo ao mesmo tempo. Impossível fingir que não escuta - e então Renato vai à janela.

Há um anjo parado no parapeito.

Um anjo.

Renato fecha os olhos, sem acreditar. Quando abri-los, deseja que aquela imagem não esteja mais ali e possa voltar normalmente ao trabalho (tanta coisa a fazer).

Mas quando abre os olhos novamente, o anjo segue no mesmo lugar. Olha para Renato com certa suavidade, percebendo-o. Dá a impressão de sorrir. Depois volta os olhos para toda a cidade, numa mirada grande – parece observá-la enquanto descansa, o anjo.

Renato não sabe o que falar, o que pensar, o que fazer. Então não faz nada, apenas fica ali.

O anjo segue em sua imobilidade celestial, como se recuperasse forças ou estivesse decidindo a direção a tomar. Permanece no parapeito bem uns cinco minutos, e vez por outra olha novamente para aquele homem engravatado e que parece tão triste. Sorri, o anjo; mas Renato não atina em sorrir-lhe de volta.

Então, de repente, o anjo recomeça o rufar rumoroso de suas asas e, com tanta elegância quanto lhe permite o tamanho, recomeça o seu vôo. É como se os mil colibris batessem asas ao mesmo tempo, e o cheiro de tantos anos volta a invadir a sala. O anjo olha ainda uma vez para Renato, como a despedir-se ou tentar dizer algo (o quê?), e depois desaparece em meio aos outros edifícios.

Renato volta ao trabalho, aos números, aos gráficos. Não sabe o que fazer, mas está decidido: não falará de seu anjo para nenhum amigo.

Afinal, quem de seus amigos acredita em anjos?


Outros Contos


A CELA

MEU NOVO VIZINHO

ESCOLHER O SORRISO

REPOLHOS SÃO MAIS DO QUE ISSO

BURRO DA PÁSCOA

SAPATOS NOVOS

A VIDA É UM POÇO ATRÁS DO OUTRO DE INJUSTIÇAS

AINDA CARNAVAL

MAX, QUE TRATA BEM AS PALAVRAS

A VIAGEM

O CALOR

DIA DOS NAMORADOS

O MEDO EM QUE ELA VIVE

PALAVRARIA

TODAS AS HISTÓRIAS DÃO UM LIVRO

O SENTIDO DA VIDA

PAIXÃO

A VIDA

NÚMERO DESCONHECIDO

A PAZ MUNDIAL

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais