AS PERGUNTAS QUE NÃO SÃO FEITAS

No corredor empoeirado dos romances, Eugênio folheava sem maior interesse um livro usado, quando assustou-se de repente: entre as páginas de um volume, sabe-se lá como esquecida, estava a fotografia de sua mulher. Olhou novamente, para confirmar, e o susto se repetiu: era mesmo Giovana quem, olhar perdido de quem não sabe, aparecia naquele retrato, atravessando uma rua movimentada e vestindo o casaco amarelo que ele mesmo lhe presenteara. O que é isso, pensou, o que a foto de minha mulher faz aqui?

Perguntou ao livreiro se ele recordava quem lhe havia vendido o exemplar, mas o homem não sabia: tantos os livros que chegavam.

Eugênio então comprou o volume, fotografia no meio das mesmas páginas em que a encontrara, e tomou angustiado o caminho de casa, decidido a esperar por Giovana e esclarecer a situação.

Mas Giovana não soube explicar nada.

Quando mostrou a foto, o susto da mulher foi tão verdadeiro quanto o dele. Ela teve um rápido tremor, e o que pareceu sentir foi medo: o que era aquilo e por quê? Depois ficou muda.

Antes que Eugênio lhe pedisse uma explicação, os olhos agoniados da mulher responderam que não havia – ou, se houvesse, ela não a conhecia. Não tinha a menor idéia de quem tirara a fotografia, menos ainda como havia parado dentro daquele livro. E estava amedrontada, arrepio ruim a percorrer-lhe as costelas – que doido perigoso havia feito aquilo?

Ficaram em silêncio por minutos, contando as horas.

Ele então percebeu o medo da mulher, maior que sua interrogação. Pegou a foto das mãos de Giovana e rasgou-a, sem deixar-se pensar duas vezes. Depois, colocou no lixo os pedaços de papel.

“Melhor esquecer isso tudo.”

Ela concordou, sem saber mais o que dizer, e a partir daquele instante, num acordo tácito, ambos resolveram não falar mais no assunto.

Mas há uma quebra no casamento. Eles se olham e não dizem nada, mas sabem que algo aconteceu.


Outros Contos


A VISITA DAS SETE MENINAS

A SERENATA

A BANDALHEIRA

AUTO DE INFRAÇÃO

OS CINCO HOMENS VELHOS

FAZER UM CAFÉ

PRESENTE

CORRESPONDÊNCIA

WALDISNEY

AINDA

PAPAI NOEL NÃO GOSTA DE CROQUETE

NUM DIA QUENTE

CRÍTICA LITERÁRIA

TODO MUNDO SABE QUE ASSOMBRAÇÃO NÃO EXISTE

2016

É SÓ UMA ROSA?

O CHORO AO TELEFONE

OS OLHOS

DEFICIÊNCIA

O ARTESÃO

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais