A VOZ

Atendo o telefone e é uma voz macia que pergunta:

“Oi, Juarez, tudo bem contigo?”

Não posso dizer que sim, porque não sou o Juarez - é o que respondo. Ela ri da minha resposta - uma risada clara - e me agrada demais a melodia com que me pede desculpas pelo engano. Que voz, penso.

“Vou tentar um outro número que tenho, então. Obrigado.”

“Mas espera! Não desliga, por favor!” - exclamo, num ímpeto.

“O que foi, moço??” - a mulher parece se assustar ao telefone; o fato é que nem eu mesmo sei ao certo porque pedi que não desligasse.

“...É que eu achei a sua voz muito bonita, queria conversar mais um pouco...” (ai, a solidão – será que é este o nome de meu ímpeto?).

Ela ri novamente, não sabe bem o que responder:

“Mas conversar o quê?” - ela me pergunta.

“...Não sei... sobre a vida, sobre teus planos, teus projetos, sei lá...Me fala o teu nome... É que eu achei a tua voz muito bonita, mesmo! Queria conversar com tua voz...” - repito, cada vez mais idiota.

“Pois é...” - ela não quer ser indelicada, percebo. – “Mas é que eu estou meio sem tempo agora, sabe?”...

“Posso te ligar outra hora, talvez?” - nem sei por que pergunto isso.

“Melhor não...” - a voz responde, e há certo alarme em seu tom. – “Pode não ficar bem, o senhor sabe...” - ela me chama assim para se distanciar um pouco mais.

“Mas só conversar um pouco!..”

“Não, melhor não... E desculpe, eu preciso desligar. Preciso falar com o Juarez.”

A voz desliga o telefone e fico eu pensando na bobagem que fiz. Aliás, nem sei por que fiz isso. Talvez a mulher tenha me encontrado num momento mais frágil, talvez a voz seja mesmo uma beleza, talvez eu tenha achado que um engano telefônico pudesse ser o sinal de algo grande, talvez eu quisesse apenas conversar com alguém, talvez.

Sei lá.

De qualquer modo, este Juarez é um homem de sorte.


Outros Contos


PÁSCOA

JAIRO

BRIGITTE BONJOUR

OS PASSEIOS COM MINHA IRMÃ

LADY MADONNA

AS PRIMAVERAS

AS COISAS COMO ELAS SÃO

REPOLHOS SÃO MAIS DO QUE ISSO

CRIANÇA TEM QUE SER FELIZ

O BILHETE

RECEITA PARA SARAU

O VELHO ATOR

NUM DIA QUENTE

A ESCURIDÃO

ASFIXIA

PAIXÃO

TOM MENOR

RESPEITÁVEL PÚBLICO

O BILHETE – II

DESCULPAS

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais