QUALQUER DIA QUE NÃO SEJA 8 DE MARÇO

Henrique está buscando vaga no estacionamento do supermercado quando, à sua frente e sem olhar para trás, um carro dá a marcha-a-ré e sai de repente de um dos espaços. Ele precisa tocar o dedo na buzina e frear ao mesmo tempo; não fizesse isso, e teriam batido, os dois.

“Ô, sua barbeira!!...” - ele grita, fúria imediata.

O outro carro pára, em susto. E, ao contrário do imaginado por Henrique, dele desce um homem. Mais que isso: é o Milton, um amigo seu. Os dois, constrangidos: um, pela barbeiragem; o outro, por haver xingado um amigo (mas não se constrange por ter pensado que o motorista era mulher...nem pensa nisso, ele.)

“Rapaz, desculpa, tava distraído!...” - justifica o Milton. – “Se não é tu dar uma buzinada, tava feito o estrago!...”

“Que é isso, rapaz, nem esquenta!... pode acontecer com qualquer um.” - e Henrique sorri amarelo, o amigo é um cara bacana e aquele destempero ficou meio chato – “Só cuida mais na próxima vez...””

“Mas e então achaste que eu era mulher, hein?” – pergunta o Milton.

Henrique não entende o comentário.

“Sim, me chamou de barbeira! Barbeira!...” - e novo sorriso constrangido.

O outro dá uma gargalhada, a tensão breve do momento se esvaecendo.

“Bah, nem reparei! Mas sabe como dizem: mulher no volante, perigo constante!..”

E ambos dão risada; o constrangimento já passou.

Quando se despedem, outro veículo já tomou o lugar onde o automóvel do Milton estava estacionado.

Henrique segue adiante, à procura de novo espaço para o seu carro.

E estaciona numa vaga para idosos.


Outros Contos


PENSAR PENSAR PENSAR

A VISITA DAS SETE MENINAS

DESAMOR

AS EXPLICAÇÕES DO ESTUPRADOR

O CHAPÉU MÁGICO

O BAILARINO

RESPEITO

O AUMENTO (versão final)

SE EU TIVESSE VINTE ANOS A MENOS

ROUBADA

TEMPO DE COMPREENDER

O BILHETE – III

CARTA A FRAN

UM MENDIGO PARADO NO MEIO DA CALÇADA

A BAILARININHA

A AMIZADE

A HORA EM QUE OS CAFÉS FECHAM

OS PRIMEIROS SÓIS

O DIA EM QUE A INFÂNCIA TERMINA

EDUARDO, QUE ESPALHA ESTRELAS

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais