EDUARDO, QUE ESPALHA ESTRELAS

Estou à janela, vendo o tempo passar, quando se aproxima aquele menino careca, um pouco desengonçado, sorrindo o seu sorriso largo de sessenta dentes e setenta e quatro anos. Nos braços, com algum esforço, carrega uma cesta de vime, daquelas que usamos em piqueniques em quadros de Paris, em filmes da Toscana ou quando viajamos para ver o mar pela primeira vez. Pergunto ao garoto o que ele carrega na cesta, e ele me responde como se fosse nada:

“Estrelas.”

Eu me surpreendo, claro. Moleques vendem doces, biscoitos, bergamotas. Mas estrelas?

“Eu não vendo estrela.” – esclarece ele – “Eu espalho. Distribuo. Dou de presente.”

Então me surpreendo ainda mais. Vender estrelas, algo assim tão valioso, até me pareceria possível. Mas dá-las de presente?

Ele abre levemente o cesto e dele sai certo brilho de fogo, fulgor de memória antiga, o cheiro bom do abraço. Depois o fecha, mas a cintilação segue firme e bela, clareando ainda mais o sol que entra em minha janela. Quero a estrela para mim, decido, e peço uma ao garoto.

Ele me estende uma pequena, escolhida como se buscasse um tesouro escondido. A estrelinha pulsa em sua mão, feito veias abertas.

“Toma.” – diz ele. – "E cuida bem dela. Estrelas são uma raridade.”

“Mas por que as distribuis?” – pergunto eu, curioso.

“Porque são mais fáceis de encontrar do que as utopias.” – ele me responde. E a resposta, sim, sim, faz sentido. Depois, completa: - “Eu sigo procurando a minha utopia.”

Fico com a pequena estrela na mão, pensando em que brilho do meu coração irei guardá-la.

E o moleque se afasta, sempre sorrindo, com suas palavras andantes. Segue em busca da utopia. Da sua própria e a de tantos outros. É uma busca difícil, ele sabe.

Enquanto isso, vai distribuindo estrelas.


Outros Contos


AS FALAS DA MÃE

LINHAGEM

QUE SEJA ASSIM

A COPA

A CASA DA PRAÇA

BILHETE

MANDOLATE

BRIGITTE BONJOUR

O HOMEM QUE VIRA A PÁGINA DA PARTITURA

REPOLHOS SÃO MAIS DO QUE ISSO

É SÓ UMA ROSA?

ONDE ANDARÁ ESTE FUTURO?

A IMPERFEIÇÃO

BURRO DA PÁSCOA

VESTIDO DE NOIVA

AMANHÃ TALVEZ

O CANÁRIO

O FLECHA

É O JOGO

O FIM DO MUNDO

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais