O FILHO

Maria Helena dobra o blusão amarelo do filho com o mesmo desvelo com que o fazia quando o moleque tinha quatro anos e as roupas eram o retrato meio bagunçado de sua alegria. Relembra a ventania feliz, as corridas do pequeno pela casa, e não sabe se chora ou ri – e então chora e ri, porque é mesmo o que pode e deve fazer. Ri pelo tanto que lembra; chora pelo tanto que sente. E chora tantas lágrimas que nem mais imaginava ter.

É sempre assim, quando se põe a arrumar as coisas do filho – sempre criança, sempre alguém a precisar cuidado.

Sempre.

Mas enquanto dobra o blusão – e em todos os outros tempos –, sabe que suas horas duram mil dias. Ela anda pela casa numa solidão toda feita de tristeza, como se não existissem caminhos.

No quarto do filho (todos os dias) abre as janelas e alisa as cobertas da cama intocada, ajeita sobre elas os travesseiros insones, sentindo no ventre o sopro frio da ausência. Olha a foto outra vez, como se fosse a primeira – e, ainda agora, não entende.

Escuta um barulho qualquer e seu coração é sobressalto impossível.

Não é apenas saudade – é mais.

Fecha os olhos e ali está o filho.

Abre os olhos e ali está o filho.

Levanta da cama e ali está o filho.

Vai dormir e ali está o filho.

Estica o braço, coça a perna, assiste televisão, dá um telefonema, mastiga um pedaço de maçã, vai ao dentista, dobra o blusão amarelo – em tudo: ali está o filho.

Faz tudo por causa disso: o filho ainda está.


Outros Contos


A TRAGÉDIA

CARTA PARA JANINE

ROUBADA

O OLHO

DÚVIDA

O LEITOR MANDA

O CÃO AZUL

O DIA DO PAI

RETRATO PARA A MÃE

ERENITA

A CHUVA SEMPRE

NÓS PRECISAMOS CONVERSAR

O HAITI NÃO É AQUI

OS PRIMEIROS SÓIS

NAQUELE INSTANTE DE ESTUPIDEZ

A HISTÓRIA

SEBASTIÃO

O HORROR

CONCERTO

O SENHOR LUGAR COMUM VAI VOTAR

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais