TIO GUNTHER, QUE NUNCA CHEGA

Anelise lembra ainda hoje.

As mesas grandes de domingo, os risos e as conversas, as cantorias e as emoções, a algazarra boa, a alegria só pelo fato de estarem reunidos, as crianças e adultos, os primos, as primas, os tios e tias, os avós e alguns outros parentes, a família toda.

Toda, não: faltava o tio Gunther.

O misterioso tio Gunther era o irmão mais novo do seu avô paterno, alguém que talvez fosse apenas um pouco mais velho do que o próprio pai de Anelise. E, nos almoços, a cada vez que, por engano ou desaviso, alguém tocava em seu nome, logo existia uma espécie de silêncio incômodo e sem explicação, e no minuto seguinte se mudava de assunto.

Às vezes parecia que chegava alguma notícia, um comentário nas vozes baixas da família, misto de condena e admiração: Gunther estava no Ceilão ou em Madagascar, em Macondo ou Paramaribo, e nem sempre em boa companhia. A história sempre incontada.

Até que Anelise, na curiosidade tanta de seus sete anos, resolvera perguntar à avó quem era mesmo o tio Gunther, por onde ele andava. E por que nunca aparecia? A avó sacudiu a cabeça, mas neste meneio também havia certo sorriso quando comentou:

“O Gunther está no mundo. Sempre foi da pá virada.” – e mais não disse.

Então o tio Gunther estava no mundo, soube Anelise – e esta descoberta teve a força de todas as fantasias: se não aparecia nunca e estava sempre no mundo, então o tio Gunther podia existir do jeito que a imaginação da pequena mais desejasse. Então ele poderia ser um alpinista escalando o Everest, o piloto de uma nave espacial, o marinheiro que salvava o navio inteiro ao desviar com perícia de um iceberg, o agente secreto que descobria os mais altos segredos das forças do mal, o herói que resgatava mocinhas das garras inefáveis dos bandidos. Poderia fantasiá-lo do jeito que quisesse, e a ausência dele nos almoços teria, a cada domingo, uma razão diferente e extraordinária.

E assim ela fez.

****

Anelise cresceu e nunca viu o tio Gunther.

Mas até hoje ele é um dos seus tios preferidos.


Outros Contos


DEFICIÊNCIA

TANTO TEMPO

AQUELE CLIMA DE INDECISÃO

SÃO LOURENÇO

WALDISNEY

ROUBADA

O CASAL

FIM DE NOITE

O CASACO DE LISTRAS AZUIS

BARBARA ANTHONY

BURRO DA PÁSCOA

O MEDO INVISÍVEL

O MEU FUTURO

AO VIVO, DIRETO DO EVENTO

FRIO ALÉM

Ô, GOSTOSA!

A CIDADE EM OLHOS DE PRESENTE

OSWALDO, QUE ESPERA O FIM DO MUNDO

AS TRUFAS

AS PERGUNTAS QUE NÃO SÃO FEITAS

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais