MEU NOVO VIZINHO

Desde que me mudei para esta rua, prestava alguma atenção no vizinho que mora algumas casas abaixo da minha. Não que fosse muito bonito ou algo que o valha. Mas havia alguma coisa nele que, sim, me chamava atenção. Não a ponto de me atrair, ao menos no primeiro momento. Mas algo.

Talvez o fato de que ele seja ruivo, como eu.

Na primeira vez em que nos cruzamos, preparei o meu sorriso mais amplo de mulher simpática enquanto ele se aproximava – nós, ruivos do mundo todo, temos uma espécie de cumplicidade. Mas ele passou reto, como se eu nem estivesse ali. Aquilo não me decepcionou – havia naquele pequeno descaso certo ar de mistério e desamparo que, de alguma forma, me fazia prestar-lhe ainda maior atenção.

E seguimos neste jogo por uns tempos (eu, ao menos; ele, não sei). Cruzávamos pela rua – moramos numa viela calma da cidade – e eu, na minha timidez intranqüila, tentava disfarçar o incômodo bom que ele me causava. Passávamos um pelo outro sem cumprimento, sem nos olharmos. Eu olhava para outro lado, espécie de ignorância ostentosa, e conseguia perceber que ele me mirava com o rabo do olho. Parecia querer dizer algo, parecia que a coragem lhe faltava quando tentava olhar em meus olhos e só o que via era alguém que não o olhava. Talvez tenha me achado uma mulher pedante, sei lá.

Estávamos assim (acho que estávamos), nesta espécie de lusco-fusco sentimental, eu já pensando em tomar uma iniciativa, quando o ruim aconteceu: sonhei com meu novo vizinho.

Sonhei.

Nem se pode dizer que eu tenha, na verdade, sonhado com ele – de quem sequer sei o nome. O mais certo seria dizer que o vizinho apenas apareceu momentaneamente em meu sonho, tão silencioso e indiferente como sempre, e olhou-me com uns olhos de fogo triste que não pude evitar de perceber. Depois, num gesto rápido com a mão, pareceu golpear-me o rosto. E então se foi, deixando ao resto de meu sonho que acontecesse. O gelo de sua mão ficou grudado em minha face.

Desde então, quebrou-se o encanto do que poderia ter sido. Cruzo na rua pelo vizinho e só o que consigo lembrar é da tristeza enorme de seus olhos e do frio de morte de seus dedos invadindo o meu sonho. Já não consigo mais fingir que não o percebo – e tenho certo medo disso.

Acho que vou começar a andar pelo outro lado da rua.


Outros Contos


A CELA

A NÃO NOTÍCIA

AS EXPLICAÇÕES DO ESTUPRADOR

A PRIMA JULIANA

O BIGODE

OS OLHOS DAQUELE MENINO

FIM DE NOITE

OS TESOUROS

O PASSO EM DIREÇÃO

A PERGUNTA A NÃO SER FEITA

O HAITI NÃO É AQUI

DONA LIDIANE

BURRO DA PÁSCOA

O CHEFE

FERIADÃO

OS DIAS LONGOS

É O JOGO

MAX, QUE TRATA BEM AS PALAVRAS

SE EU TIVESSE VINTE ANOS A MENOS

O FIM DO MUNDO

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais