NO CAFÉ

Tinham brigado dois meses atrás. Desde então não haviam mais se visto e nem se falado, mas Eduardo não conseguia tirar Martina de sua cabeça. E, por tudo o que haviam vivido e passado juntos, achava que ela também ainda poderia sentir algo por ele. Aquela briga (a bobagem que Eduardo havia feito) não podia ser suficiente para terminar com tudo.

Então resolveu telefonar. Martina demorou a atender (talvez estivesse indecisa) e quando o fez, foi com a voz de quem pouco tem a dizer. Mas aceitou tomar um café, para conversarem, quem sabe colocarem em paz as próprias memórias.

Um pouco a contragosto de Martina, marcaram o encontro para o café onde costumavam se encontrar nos tempos de paixão. Eduardo tomou banho, perfumou-se e cuidou de vestir uma roupa que parecesse, ao mesmo tempo, escolhida e não escolhida – mas não conseguiu evitar o suor frio à hora em que Martina chegou.

Não souberam direito como se cumprimentar. Beijaram-se nas bochechas, um pouco desenxavidos. Depois, num gesto cavalheiro que era tão pouco seu, Eduardo puxou a cadeira e esperou que Martina sentasse, para só então acomodar-se. Ela sorriu, meio sem jeito.

Pediram dois expressos e ele então começou a falar. Derramou-se num discurso sem pausas. Pediu desculpas por tudo, disse que estava arrependido das bobagens que havia feito na vida e na relação, que pensara muito muito muito e que agora era uma homem diferente, mais maduro, melhor preparado, e quem sabe não pudessem dar um ao outro uma nova chance, quem sabe?

Martina apenas escutava, sem dizer nada – mas em seus olhos se poderia perceber o brilho cansado de uma lágrima.

Eduardo falando e Martina escutando, nenhuma palavra. Ele despejando palavras e repetindo promessas- e ela sem responder nada.

“Vou ao banheiro.” – disse ele, quando – esgotado - percebeu que não sabia mais o que dizer e que o suor frio e incômodo já lhe inundava as mãos.

E levantou-se rápido, como se fugisse de si mesmo.

Quando voltou, Martina havia ido embora. Ao lado da xícara, o dinheiro para pagar o café.


Outros Contos


O GÊNIO NA VIDA DE VICENTE

OFERENDA

O MAIS TRISTE

MOSAICO

DESAMOR

PROCURANDO GILSON

NUM DIA QUENTE

PAPAI SABE TUDO

OS GÊMEOS, AS GÊMEAS

TODO MUNDO SABE QUE ASSOMBRAÇÃO NÃO EXISTE

(NA IMAGINAÇÃO)

AINDA CARNAVAL

O PRIMEIRO AMOR A GENTE NUNCA ESQUECE

FRIO ALÉM

PARA QUE SERVEM OS LIVROS?

CENA URBANA

MEIA LUZ, MEIA VERDADE

MEU NOVO VIZINHO

O AUMENTO (versão final)

A CELA

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais