O PAI QUE ESPERA O FILHO ACORDAR

É domingo de manhã. Gustavo toma um café e lê o jornal em silêncio puro, aproveitando o sol raro deste inverno tão molhado. Milena foi ao mercadinho próximo, daqui a pouco deve estar de volta. Vez por outra, ele interrompe a leitura e espicha o olhar em direção ao quarto de Miguel; quer que o filho acorde logo, encha a casa com o alarido feliz dos seus três anos.

Sempre quer que o filho acorde. Mas hoje, mais que nos outros dias.

E não porque seja o dia dos pais, não.

É que ontem à noite, Gustavo começou a ler uma história para o pequeno dormir. Já era tarde, o pai estava cansado e achou que seriam apenas umas poucas páginas, figurinhas, uns comentários e logo, logo, o moleque estaria dormindo. Era assim, de costume: três ou quatro páginas, Miguel fazendo as perguntas sobre fadas e príncipes, heróis e dragões, os olhinhos baixando, fechando e, no mais das vezes, a história ficava incompleta, não dava nem tempo para o beijo de boa noite. No dia seguinte, o conto estava esquecido.

Mas ontem, não. Miguel tinha o sono de sempre, a hora de dormir já havia passado, mas ele lutava contra o fechar dos olhos e a favor da história. Queria sabê-la. Pediu ao pai para segurar um pouco o livro, acariciou os desenhos e as letras que ainda não conhecia e, pela primeira vez, disse que ler devia ser muito bom. Quando eu vou aprender as letras, perguntou, um brilho na voz. Depois, o sono mais denso a cada segundo, pediu ao pai que continuasse a leitura. Até que não conseguiu mais. Mas antes de dormir, ainda conseguiu pedir a Gustavo:

“Me ensina a ler. E amanhã de manhã, me conta o resto desta historinha. ”

Por isso, Gustavo quer que o filho acorde logo. Não porque seja domingo e tenha mais tempo para passar com ele, não porque Milena foi ao armazém e sejam apenas eles dois por um tempinho, não porque seja o dia dos pais e o filho lhe dê um beijo especial, mesmo sem saber ainda direito o porquê.

Não, por nada disso.

Quer que o filho acorde logo porque arde de vontade de lhe contar o resto da história.


Outros Contos


Ô, GOSTOSA!

O DIA, LÁ FORA

AS COISAS COMO ELAS SÃO

(NA IMAGINAÇÃO)

DEZOITO ANDARES

SURPRESA NA CHAMINÉ

CRÍTICA LITERÁRIA

A CULPA É DELA

A HISTÓRIA

É O JOGO

O AMIGO MAIS CEGO

TOM MENOR

OS POEMAS DE AMOR

BOA VIZINHANÇA

A MOÇA DO 20º ANDAR

A NÃO NOTÍCIA

PRECONCEITO, ONDE?

AS FLORES DE MARÍLIA

O HORROR

TIO GUNTHER, QUE NUNCA CHEGA

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais