ANDANDO NA CHUVA

O dia havia sido ruim, cheio de reuniões pesadas, e Armando tentava esquecer um pouco da tensão enquanto caminhava para casa – morava perto do trabalho -, quando a chuva começou, repentina e forte. “Caraca”, pensou ele, “só faltava essa!”

Estava sem guarda-chuva e percebeu logo que não adiantaria correr, seu fôlego de meia-idade já não agüentava uma pernada de quatro quadras. Andar por baixo das marquises também não resolveria nada – não há marquises suficientes nestas quadras que ainda o separam de casa.

O que fazer? Molhar-se, então.

Correndo ou andando, ia se encharcar – preferiu ir andando. Tirou os sapatos e as meias e colocou-os dentro da mochila que, à guisa de pasta, carregava para lá e para cá todos os dias (lembrar de colocar um guarda-chuva nesta mochila, pensou Armando) e começou a caminhar.

Sentiu os pingos gelados caindo sobre o seu corpo, empapando seus cabelos meio ralos e molhando o terno cinza com que havia, a seco, atravessado o dia – e se deu conta, quase com surpresa, que aquilo não o incomodava. Mais que isso: estava gostando daquela água.

E então lembrou-se das maravilhas da infância, dos banhos de chuva com a molecada, e resolveu transformar em festa o caminho que ainda lhe restava. Os outros que por ele cruzavam, sérios e protegidos em suas capas e sombrinhas, não sabiam se riam ou se espantavam com aquele homem de terno e mochila pulando nas poças d´água e dando gargalhadas como se estivesse sozinho. Mas ele, ah, ele não estava nem aí para os outros: apenas se divertia em sua brincadeira, criança novamente por uns instantes. Coisa boa, pensava.

Quando chegou em casa, a mulher se assustou – com seu estado encharcado e sua alegria. Mandou-o tomar logo um banho quente e disse que ia preparar-lhe um chá de mel e limão para prevenir a gripe. Ele pediu a ela que colocasse também um pouquinho de cachaça. Depois, foi ao banho, cordato.

Mas, enquanto se ensaboava sob a água quente do chuveiro, sentia saudades daquela água gelada da chuva.


Outros Contos


AS OUTRAS COISAS, COMO ELAS SÃO

A BANDALHEIRA

FERIADÃO

AS SOLIDÕES

O SOL FRIO

FELIZ NATAL

BELA, RECATADA E DO LAR

AS OPÇÕES

AQUELE CLIMA DE INDECISÃO

A CIDADE EM OLHOS DE PRESENTE

EDUARDO, QUE ESPALHA ESTRELAS

AS PALAVRAS DA CASA

DÚVIDA

OLHOS DE GATA SELVAGEM

POR ONDE ANDARÁ RICARDO?

CENA DE CINEMA

QUANDO VOCÊ ME DEIXOU, MEU BEM

A VIAGEM

PROFESSOR ZANDOR

O PALHAÇO NO SINAL

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais