O VENDEDOR DE PEDRAS

Estou andando sem pressa por certa rua de um bairro distante, quando me deparo com o molequinho parado à frente de uma casa, atrás da pequena mesa sobre a qual dispôs os produtos que, certamente com algum esforço divertido, amealhou e agora vende. O garoto terá os seus cinco, seis anos – e os produtos que vende, na verdade, são pedras. Um pequeno monte de pedras de diversos tamanhos e formatos, cuidadosamente dispostas sobre a mesa que sua mãe ou seu pai instalou, e que foram por ele arrumadas e polidas como se fossem as jóias que agora, conscienciosamente, pretende vender.

Uau! Um garoto vendendo pedras – e a cena me remete, de imediato, à minha infância, minha prima e eu vendendo pedras e limões na banquinha improvisada, brigando sempre para ver quem era o chefe. Que bom ainda encontrar, às vezes, crianças vendendo pedras - crianças crianças.

Paro em frente à banquinha e o pequeno me olha com certa atenção comercial. Examino as pedras sem dizer palavra e percebo que meu silêncio, de alguma forma, o instiga. Olho para ele e ainda não digo nada, cliente compenetrado avaliando o produto. Pego nas mãos duas das pedras, justamente as mais pesadas, e ele me pede que seja cuidadoso – se caírem, podem quebrar.

“Quanto custam as pedras?” – pergunto, sério.

“Cada uma tem um preço.” – ele esclarece, ainda mais sério (eu também dizia isso aos clientes, lembro.)

“Esta aqui.” – e aponto uma delas, a maior. Ele me dá o preço numa moeda imaginária. Achei que seria mais caro, e digo isso a ele.

“É que ela não é muito rara.” – e faz uma espécie de muxoxo, gesto de certo desdém com a mão.

“E qual é a mais rara?” – pergunto eu, curioso.

Ele me aponta uma pedrinha pequena e alaranjada, que certamente já foi parte de alguma construção, e ainda carrega os laivos de tinta que a diferenciam das demais.

“Esta.” – e complementa, orgulhoso – “Tem poucas assim no mundo todo.”

Dou ao pequeno o olhar de quem está impressionado e ele sorri. Então lhe pergunto quando custa esta pedra.

“Esta eu não vendo, é rara mesmo.” – diz ele. – “Tá aqui só pra eu me exibir.”


Outros Contos


O BIGODE

Ô, GOSTOSA!

ANA BETH

POR ONDE ANDARÁ RICARDO?

ISTO, O QUE CHAMAM JUSTIÇA?

É O JOGO

O CASACO DE LISTRAS AZUIS

EM BOA COMPANHIA

PROCURANDO GILSON

OS OLHOS

LIXO

O HAITI NÃO É AQUI

JOGANDO BOLA NO CÉU

DEPOIS DO NATAL

OS GÊMEOS, AS GÊMEAS

PARA TI, ESTE RAMALHETE

PRIMEIRO DIA DE AULA

OS DIAS LONGOS

LADY MADONNA

NÚMERO DESCONHECIDO

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais