OLHOS DE GATA SELVAGEM

Quando entrou no clube privé sobre o qual os amigos tanto lhe haviam falado, a primeira coisa em que Aldrovando viu foram aqueles olhos de gata selvagem. Uns olhos de promessa, e que vinham sorrindo, maliciosos, em sua direção. Teriam vinte anos, vinte e um – quando muito. Vinte anos acomodados num corpo perfeito.

“Oi. Quer sentar, gato?” – a voz tinha também um quê de gata, um cicio, ronronar por baixo das palavras.

Gato. Aldrovando pensou em si mesmo, nos seus cinqüenta e tantos anos descuidados, a barriga e a calva salientes, o modo desajeitado desde sempre, e soube que podia ser chamado de tudo a esta hora da vida, menos de gato. Mas gostou.

Não ficaram muito tempo sentados. A garota enfeitiçou-o dizendo que adorava homens experientes, que os caras mais velhos davam de dez a zero nos garotos, que tinham sempre um charme especial, e que se passassem a noite juntos ele nunca – nunca – se arrependeria. Ela faria coisas que ele nunca iria esquecer.

E fez.

No dia seguinte, coração leve como há anos não sentia, Aldrovando voltou ao clube. E então lhe disseram que a garota não trabalhava mais lá; a noite anterior tinha sido a última.

Desde então, ele achou que iria enlouquecer. A garota dos olhos de gata selvagem o havia enlevado de tal maneira que não conseguia mais pensar em nada. No escritório, em casa, com a mulher e os filhos, era uma impaciência, uma irritação sem nome e sem destino. Nas ruas, igual a um adolescente, procurava nas garotas aquela que, sem querer e por ser única, lhe havia transformado a vida num inferno – mas nada, nunca. Os olhos, aqueles: mil garotas passassem e ele os reconheceria.

Um tormento.

*****

Ontem à noite, num jantar solene, o filho mais velho apresentou à família a nova namorada. Carolina.

Ela chegou às nove, tímida, recatada, e ficou sentada num canto do sofá da sala como se não estivesse ali. Mas quando o sogro e a sogra apareceram, levantou-se resoluta.

“Prazer. Carolina. Como vai o senhor?” - e sorriu para o sogro, com seus olhos de gata selvagem.


Outros Contos


O CÃO AZUL

AQUELE CLIMA DE INDECISÃO

NO CAFÉ

AS UVAS VERDES

PRIMEIRO EMPREGO

MÃOS DADAS

OS OLHOS DO MEU FILHO NOS OLHOS DE OUTRO FILHO

NESTE CARNAVAL EU VOU BEBER!

ALCEU FEIJÓ

A HISTÓRIA

DANÇAR A DANÇA INVISÍVEL

A VOZ

O CONSUMO

SEBASTIÃO

2017

BOTAR AS CARTAS

SÓ UM CAFÉ

DIA DOS NAMORADOS

O AMULETO

A CHUVA SEMPRE

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais