O HOMEM NO BAR

O HOMEM NO BAR

“O senhor me veja um conhaque, por favor.”

Eliseu nem precisou levantar a cabeça para saber que se tratava de um desconhecido. Naquele bar de fim de mundo onde gastava seus dias servindo cachaça e matando moscas, só entravam os bêbados de sempre, que nunca lhe davam qualquer senhoria. Mas quando ergueu o olhar, não conseguiu evitar a surpresa: o homem à sua frente vestia terno e gravata, certa elegância antiga e um olhar tão triste como o de um cachorro que perdeu o dono. Tanta era sua distinção, que Eliseu sequer perguntou se haveria preferência pela marca do conhaque; serviu logo a melhor, dos poucos que tinha.

O homem sentou-se em silêncio numa das mesas do bar vazio e, enquanto bebericava sem vontade a bebida, apenas olhava para fora e, por vezes, suspirava. Na verdade, não olhava nada; seus olhos tristes pareciam vazios.

Até que, quase sem perceber, começou a chorar. Um choro em silêncio, sem estardalhaço, parecendo quase envergonhado; Eliseu só soube percebê-lo quando o homem se virou para pedir outro conhaque.

Quando foi servir a nova dose, o desconhecido pediu que já deixasse a garrafa na mesa – iria beber um pouco mais.

“Certo.” – concordou o dono do bar. Depois, como se não soubesse bem o que fazer, devolveu a deferência antes recebida – “Mas tudo bem com o senhor?”

“Tudo.” – respondeu o desconhecido. Depois, corrigiu-se – “Na verdade, não está. Mas vai passar.” – e voltou ao seu choro silencioso. Eliseu, também em silêncio, voltou ao balcão e às garrafas.

Depois de um tempo, o homem virou-se novamente, como se houvesse esquecido algo:

“Mas o senhor não se importa se eu chorar um pouco? Tem algum problema?”

Eliseu interrompeu por um instante o que não fazia: nunca lhe haviam feito uma pergunta daquelas.

“O senhor fique à vontade.” – respondeu, finalmente.


Outros Contos


PRESENTE

A IMAGEM QUE O ESPELHO ME DEVOLVE

POR ONDE ANDARÁ RICARDO?

AINDA CARNAVAL

OITO DE MARÇO

AO VIVO, DIRETO DO EVENTO

ESTE DOMINGO

O IPÊ

AS OPÇÕES

AQUELE CLIMA DE INDECISÃO

O PRIMEIRO AMOR A GENTE NUNCA ESQUECE

O BILHETE

A NETA DA DESQUITADA

A PAZ MUNDIAL

SURPRESA NA CHAMINÉ

A SAPATEIRA

SINAL VERMELHO

FIM DE SEMANA

BOA VIZINHANÇA

DIA INTERNACIONAL DA MULHER

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais