A MEMÓRIA AO LADO

Ele sorvia com lentidão o capuccino no bistrô próximo ao seu apartamento – o máximo de caminhada possível sem que lhe doessem as pernas cansadas de anos – quando a moça se aproximou com certa timidez.

“Boa tarde.” – disse ela, o celular na mão esquerda, um tom de explicação – “Desculpe interromper assim o seu café, mas o senhor não é artista?”

Depois de tantos anos fora do ramo, ainda havia alguém para reconhecê-lo, pensou ele, com alguma vaidade. Sim, respondeu, sorriso modesto nos olhos antigos.

O rosto da mulher pareceu se iluminar.

“O senhor que fez aquela novela, fazia o papel de um rei meio bobo, não foi?”

Não, não era ele. Negou, firme em seu sorriso: não havia interpretado nenhum rei em sua carreira.

“Ah, desculpa!” – exclamou a moça – “Eu me confundi. O senhor trabalhou foi naquela novela em que mataram a Odete Roitmann, isso sim!”

Isso não; ele não havia atuado nesta novela. Talvez alguém parecido.

Ela mal pode esconder o embaraço, mas seguiu na carga. Deu um tapinha na própria cabeça antes da terceira tentativa:

“Mas é claro! Eu lhe conheço do cinema. O senhor trabalhou num filme, fez o papel de um cozinheiro alemão!”

Também não: nos três únicos filmes que havia feito, não havia cozinheiro alemão algum.

“Mas não foi o senhor que foi casado com a Ítala Lara?”

Bem que eu gostaria, pensou ele. Mas não: dos seus três casamentos, nenhum tinha sido com Ítala Lara.

A moça deu então um passo para trás, envergonhada, recolhendo o telefone – a foto com o ator famoso estava cancelada.

“Nossa, desculpa eu ter atrapalhado o seu café! Eu lhe confundi com outra pessoa.”

Olhou para o homem, como se pedisse desculpas:

“Na verdade, eu não lhe conheço.”

E voltou, sempre tímida, à sua mesa.


Outros Contos


COMPRAR CIGARROS

PARA QUE SERVEM OS LIVROS?

A VOLTA DO MAESTRO

REUNIÃO DANÇANTE

S/A

TIA ESTER

OS DIAS LONGOS

A CAMISINHA

EU TE AMO

LINHAGEM

AS COTAS

ELE NÃO SABE

NO CAFÉ

UMA ANGÚSTIA, SABE?

OS GÊMEOS, AS GÊMEAS

FERIADÃO

NO ELEVADOR

RECEITA PARA SARAU

AUTOESTIMA

REENCONTRO

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais