BELA, RECATADA E DO LAR

A verdade é que eu a olho, parada e charmosa à minha frente, apenas esperando que eu lhe dê ordens, e não há mesmo como negar: estou apaixonado. Nem quero negar isso. Não sei por quanto tempo durará – mas o fato é que hoje estou apaixonado.

Ela é bela, recatada e do lar.

É bela, sim, tanto. Sei que a alguns ela poderá não agradar, mas isso a mim pouco importa: eles que tenham sua própria bela em casa, eu tenho a minha – cada qual com seus gostos e padrões. Observo-a, sem disfarçar o olhar e certo orgulho, e é certo que me agradam as suas curvas cheinhas, arredondadas: tem um beleza clássica e antiga, ela. O tipo de beleza que me agrada. Me agradam a sua cor, a palidez pudorosa, aquela espécie de ronronar satisfeito que ela emite quando a ponho a trabalhar. Mas não é por este ou aquele detalhe que me conquistou: é o todo, a simplicidade fascinante do conjunto. É isso: estou apaixonado por sua beleza simples e inteira.

E é recatada, também. Fica ali, parada, apenas à espera de que eu verdadeiramente a desperte, e só então se move, cadenciada, ritmada – e em seus movimentos todos, submissa, fará apenas o que eu mande, mais rápida, mais lenta, mais intensa. Quando eu decidir que ela deve parar, parará. Eu decido – o homem, o dono. Ela não faz nada disso: é recatada.

E é, sim, do lar. Mais que do lar, é do lugar onde a coloquei. É ali que permanece, esta minha beleza.

A lavanderia – bela e recatada, é lá que ela fica.

Esta super máquina de lavar roupas que comprei ontem à tarde e por quem, ainda agora, estou apaixonado.


Outros Contos


PÁSCOA

BRINCADEIRA

O PASSO EM DIREÇÃO

QUANDO VOCÊ ME DEIXOU, MEU BEM

MONTEVIDÉU

A NOVA VIZINHA

AQUELE SILÊNCIO

O SENTIDO DA VIDA

CINQUENTA

S/A

QUINZE ANOS

O TALENTO DE ELÍSIO

OS OLHOS DO MEU FILHO NOS OLHOS DE OUTRO FILHO

AINDA CARNAVAL

DIA DOS NAMORADOS

PRECONCEITO, ONDE?

CIDADANIA

MULTICORES

ALICE NÃO MORA MAIS AQUI

TORMENTO

 

 

 
 

 


Prêmio que agraciou Henrique Schneider é um dos principais concursos do Brasil


Entrevista: o processo de criação de Setenta


Henrique Schneider palestra no Festival Literário dos Campos Gerais